Sindicato 11/03/2019 01h02 Atualizado às 13h46

Comerciários realizam assembleia decisiva sobre a Havan

Votação está acontecendo desde as 11 horas e segue até as 14 horas

Desde as 11 horas os trabalhadores filiados ao Sindicato dos Comerciários de Santa Cruz do Sul e Região estão opinando sobre a nova proposta feita pela rede de lojas Havan para instalação no município. A votação deve seguir até as 14 horas. A ação será decisiva para a abertura ou não da empresa, uma vez que o principal pré-requisito para operação é a liberdade para trabalhar aos domingos e feriados.

LEIA MAIS: Em vídeo, dono da Havan pede apoio para abrir loja em Santa Cruz

Conforme o presidente do Sindicato dos Comerciários, Afonso Schwengber, a decisão final será da categoria. “Naquele dia em que o Luciano Hang esteve em Santa Cruz eu disse que a minha caneta iria escrever conforme aquilo que os trabalhadores disserem. Assim será. Pedimos que todos participem desta nova assembleia para que possamos definir esta questão com a maioria.” Durante o período do intervalo de almoço dos comerciários (entre 11 horas e 14 horas), o sindicato fará pequenas reuniões com grupos. “Queremos que todos tenham acesso à proposta. Desta reunião não poderão restar dúvidas”, acrescenta Schwengber.

Segundo o presidente, caso seja necessário e se a categoria entender, poderá ocorrer ainda uma votação semelhante àquela realizada em 31 de janeiro, quando a maioria dos comerciários votou contra a abertura das lojas em domingos e feriados. “A resposta será oficializada ao Sindilojas, na terça-feira. É assim que precisa ser feito.” Sobre os termos da proposta, ou as cláusulas que o sindicato pretende discutir com a categoria, o presidente faz mistério. Apenas pede a participação do maior número possível de comerciários no ato. “Existem muitas dúvidas, tanto de trabalhadores quanto de pequenos comerciantes. Estamos com muita cautela neste caso”, reforça.

Inicialmente, a assessoria jurídica do Sindicato do Comércio Varejista do Vale do Rio Pardo (Sindilojas) havia informado que a entidade patronal teria que, aos moldes dos comerciários, chamar uma nova assembleia para resolver a questão, pois a negociação se dá entre sindicatos – patronal e empregados. Segundo o presidente Mauro Spode, existe um entendimento dos empresários de que a fórmula proposta para o acordo – um aditivo à atual convenção coletiva dos trabalhadores – é a solução necessária para a abertura da Havan em Santa Cruz do Sul. “Por conta disso, nós não iremos fazer uma assembleia para decidir. Entendemos que não há necessidade de promover esta discussão no Sindilojas”, explica Mauro Spode.

LEIA MAIS: Os benefícios que a Havan propõe para abrir domingos e feriados

Sete pontos para entender a negociação

  1. Para conseguir abrir aos domingos e feriados, a Havan precisa estabelecer um acordo com o Sindicato dos Comerciários. Este acerto irá regulamentar os termos do trabalho, como folgas, remuneração e benefícios para o funcionário que for contratado pela rede. Ele precisa passar por convenção coletiva e é fundamental para que a loja possa abrir.
  2. Na primeira consulta feita pelo sindicato, em 30 de janeiro, a categoria votou contra a abertura de lojas aos domingos e feriados. Apenas sete comerciários se posicionaram a favor do trabalho nestes dias, ante 223 votos contrários.
  3. Entre os dias 18 e 19 de fevereiro, o Sindicato dos Comerciários realizou uma nova consulta com a categoria. Urnas itinerantes colheram 663 votos, que acabaram confirmando a primeira decisão: 578 disseram “não” ao trabalho em domingos e feriados, 84 “sim” e um anulou o voto.
  4. Após saber do resultado, o proprietário da rede, Luciano Hang, marcou uma reunião com o sindicato, para fazer uma nova oferta. O encontro foi a portas fechadas, com a adição de novos benefícios – ainda não divulgados – aos trabalhadores de Santa Cruz. Neste encontro, ficou estabelecido que nesta segunda-feira deve ser feita nova análise da proposta, para uma resposta final à Havan. Especula-se que este novo oferecimento da empresa tenha benefícios como auxílio aos trabalhadores com filhos, que necessitariam de creche também nos fins de semana e feriados.
  5. A rede já abriu a negociação de uma área de terras no Bairro Schulz. O espaço, próximo da Estação Rodoviária, deverá ter uma área construída de 8 mil metros quadrado e um espaço de 17 mil metros quadrados para estacionamento. A frente da loja ficará para a BR-471.
  6. Para dar início à construção, a Havan espera uma resposta positiva do sindicato. Se ela vier nesta segunda, a obra deve começar em seguida e a estimativa é inaugurar a loja em quatro meses. A seleção de funcionários – 150, inicialmente – será por meio de uma parceria entre equipe da Havan, Prefeitura e Sine. Assim que for confirmada a instalação, o setor de recursos humanos da empresa dará início ao processo. O treinamento destes funcionários será em Caxias ou Passo Fundo.
  7. Mesmo com a possibilidade de abertura do comércio aos domingos – já estabelecida por lei municipal –, a Havan precisa firmar acordo com o sindicato para regulamentar a atividade na loja. A convenção coletiva, que está em vigor até outubro, necessita ser alterada ou ter cláusulas adicionadas, como se quer fazer agora para que a empresa possa operar no município.