Investimento 11/06/2019 23h16 Atualizado às 06h17

Venâncio Aires está mais perto de ter novo Distrito Industrial

Área em Vila Estância Nova está sendo medida pelo Estado, que fará doação. Obra tem previsão de ficar em até dois anos

Passados seis anos do início das negociações, e depois de um vaivém entre secretarias do Estado, a doação de área para o novo Distrito Industrial de Venâncio Aires está perto de acontecer. Localizado em Vila Estância Nova, no interior, o lote de 90 hectares está sendo medido por técnicos da Secretaria Estadual de Obras e Habitação, para que enfim seja lavrada a escritura.

Desde essa terça-feira equipes de topografia do Estado realizam a verificação do lote. A medição precisou ser refeita porque as dimensões apontadas pela empresa contratada pela Prefeitura de Venâncio não bateram com as coordenadas que o governo tinha. “Este será o último passo para liberar a escrituração. Estamos aguardando isso para os próximos dias”, destaca o prefeito de Venâncio Aires, Giovane Wickert (PSB).

Segundo ele, como a área está em uma matrícula maior, de 103 hectares, no local onde funcionava a antiga penitenciária de Venâncio, é necessário que os limites de terras estejam corretos. Depois disso, o governo irá doar a área para o Município. “O processo começou em 2013, mas foi em 2017 que conseguimos assegurar o repasse. No ano seguinte, por conta das eleições, não foi possível receber esta doação”, recorda Wickert.
Segundo o prefeito, assim que tudo for oficializado por meio da escritura, a Prefeitura de Venâncio Aires dará início à busca de recursos financeiros. “É preciso preparar o terreno para a instalação das empresas. O Município vai financiar esta infraestrutura junto aos órgãos de fomento, como Badesul e BRDE.”

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Secretaria Estadual de Obras e Habitação confirmou a medição de terras, iniciada nesta terça-feira. Conforme a pasta, até o fim da próxima semana, caso haja condição climática, o trabalho estará pronto. Após, o processo seguirá para a Secretaria Estadual de Planejamento, Orçamento e Gestão, que é o órgão responsável pelo patrimônio do Estado. Ela fará a escritura para a o Município de Venâncio Aires, destravando o processo iniciado há seis anos.

Uma nova força às margens da RSC-287

Os planos da Prefeitura de Venâncio Aires são para desenvolver o município em uma das áreas mais valorizadas da região: a RSC-287. O lote fica atrás da Escola Estadual Adelina Isabela Konzen, mas está a “um passo” da principal rodovia da região. “Parte do território de Venâncio Aires faz margem com a rodovia, e pode ser desenvolvido com a atração de investimentos”, frisa o prefeito Giovane Wickert.

Segundo ele, várias empresas já teriam sondado a possibilidade de instalação na região, por conta do acesso e das características da área. “Eu acredito que serão necessários dois anos para concluir a instalação do novo Distrito Industrial, mas é preciso que o lote esteja regularizado com o Município.”

Wickert explica que não é possível calcular ainda o valor do lote. De acordo com ele, um hectare de terra com a característica rural em Vila Estância Nova varia de R$ 20 mil a R$ 70 mil, dependendo do tipo de lavoura e ocupação. “E depois que o local virar Distrito Industrial, será outro valor”, complementa.

Foto: Lula HelferWickert: financiamento para criar distrito
Wickert: financiamento para criar distrito

 

Cronologia

  • Inaugurada em setembro de 2014, a Penitenciária Masculina de Venâncio Aires foi um projeto-piloto de alta segurança e com programas de ressocialização. Na época, o prefeito Airton Artus concordou com a instalação, mediante a troca pelo fechamento do regime semiaberto que funcionava em Linha Estância Nova, com o repasse da área e do antigo prédio.  
  • Em abril de 2015, a Prefeitura de Venâncio Aires apresentou à Casa Civil do governo de José Ivo Sartori (MDB) o projeto digital para instalação do Distrito Industrial na área da localidade de Estância Nova. O projeto previa a instalação de 168 terrenos, com 3,2 mil metros quadrados cada.
  • Um ano depois, em 2016, a burocracia fazia com que a proposta sequer tivesse sido apreciada. Apenas no fim do ano de 2017 a Assembleia Legislativa aprovou a doação da área para o Município, ficando o governo autorizado a fazer a escrituração e o repasse.
  • No ano passado, por conta das eleições estaduais, o então governador Sartori não teve condições de efetivar a doação. Nos primeiros meses do governo de Eduardo Leite (PSDB), o processo não foi avaliado, mas agora passou à revisão final para que seja formalizada a doação.

MAIS LIDAS