Santa Cruz do Sul 26/07/2019 00h02 Atualizado às 06h19

Superintendência dá como certa a extinção da Delegacia da Receita Federal

Unidade Regional de Santa Cruz já estaria operando como uma agência do órgão. Serviços prestados devem ser mantidos

Na prática, a Delegacia Regional da Receita Federal de Santa Cruz do Sul já não existe mais com esta nomenclatura. Na Superintendência Regional da Receita, em Porto Alegre, um grupo de lideranças da região recebeu nessa quinta-feira, 25, a confirmação da mudança de classificação, que transforma em agência a delegacia, mas com a garantia de que os serviços prestados no município serão mantidos, sem previsão de cortes no quadro atual de servidores.

Conforme o dirigente do Escritório Regional Vale do Rio Pardo do Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS), Auro Schilling, a comitiva regional foi recebida pelo superintendente Luiz Fernando Lorenzi. “Ele nos explicou que foi decisão do governo federal, para a redução de custos em todo o Brasil. Segundo ele, é situação inevitável, pois a ordem é economizar”, destaca.

De acordo com Schilling, a manutenção de uma delegacia da Receita Federal em Santa Cruz acarretaria na contratação de pelo menos 40 novos servidores, situação descartada por completo pela superintendência. “A Receita Federal não tem autorização do governo para fazer concurso público. Por isso, não há como contratar novos servidores”, pontua o dirigente regional do Sinduscom-RS.

Schilling comenta que a transformação da delegacia em unidade de atendimento já está contabilizada em um relatório que a Superintendência Regional precisa enviar a Brasília no próximo dia 31. “Voltamos com a expectativa de que os serviços serão mantidos, pois ele nos deu esta certeza”, complementa.


LEIA MAIS: 

Relembre o caso

A Delegacia da Receita Federal de Santa Cruz abrange 69 municípios gaúchos dos vales do Rio Pardo, Taquari e Caí. Com um prédio ainda em construção, orçado em mais de R$ 23 milhões, o futuro da Delegacia da Receita Federal de Santa Cruz do Sul tornou-se incerto diante de um decreto do governo federal que prevê a redução de 20% nas funções ligadas ao Executivo.

A partir da transformação de delegacia em agência, a unidade do município poderia perder a gerência de diversos serviços oferecidos pelo órgão local. Empresários, Prefeitura e a Gazeta Grupo de Comunicações lançaram um movimento a favor da manutenção da delegacia.

O novo prédio da Receita Federal começou a ser construído em 2014. A estrutura, localizada no encontro das ruas Gaspar Silveira Martins e Juca Werlang, também deverá abrigar a Procuradoria-Geral da Fazenda. O prédio, com 6,9 mil metros quadrados, conta com quatro andares de escritórios, além do térreo e do subsolo. A conclusão da obra estava prevista para outubro  do ano passado, mas foi adiada para setembro deste ano.

Foto: Bruno PedrySchilling: situação tornou-se inevitável
Schilling: situação tornou-se inevitável

 

Região deverá fiscalizar, recomenda o superintendente

Conforme o presidente da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Santa Cruz do Sul, Lucas Rubinger, uma das orientações feitas pelo superintendente regional da Receita Federal foi para a que a região fique atenta a prazos e ao atendimento em Santa Cruz. Segundo ele, a alteração já teria ocorrido de forma interna, sem que houvesse prejuízo à comunidade. “Não temos muito mais o que fazer, a não ser fiscalizar para que não ocorra mudança no serviço prestado pela Receita Federal na cidade”, enfatiza.

Rubinger diz ainda que o superintendente teria deixado as lideranças tranquilas no que se refere à mudança do órgão. “Saímos convencidos de que esta alteração não irá impactar nos serviços, e que a decisão é boa para o Brasil, pois representa uma economia de gastos”, salienta.

Foto: Lula HelferRubinger: ideia é fiscalizar os serviços
Rubinger: ideia é fiscalizar os serviços