Alerta 13/08/2019 15h15 Atualizado às 08h28

11 cachorros são diagnosticados com leishmaniose em Santa Cruz

Informação foi confirmada pela Prefeitura em coletiva na tarde desta terça-feira

Pelo menos 11 cachorros foram diagnosticados com leishmaniose neste ano em Santa Cruz do Sul. A informação foi divulgada pela Prefeitura em coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira, 13. Os casos foram registrados nos bairros Bom Jesus, Belvedere, Higienópolis, Renascença, Progresso, Ana Nery, Margarida, Santo Inácio e Arroio Grande.

A doença é transmitida pela picada da fêmea do mosquito-palha e costuma acometer especialmente cães. Houve a suspeita de que três pessoas poderiam ter morrido por conta da doença em Santa Cruz, mas a hipótese foi descartada após exames. A leishmaniose visceral humana não é transmitida diretamente de uma pessoa para outra, nem de cachorros para os humanos. 

Em janeiro deste ano a Prefeitura anunciou o investimento de R$ 100 mil para prevenir a doença. Como forma de auxiliar famílias de baixa renda que não têm condições de custear o tratamento da doença, a Prefeitura adquiriu 400 coleiras que funcionam como prevenção para que o mosquito não chegue até o cachorro para contaminá-lo. 

A Secretaria de Meio Ambiente, Saneamento e Sustentabilidade é a responsável pelos testes rápidos e, se o animal for diagnosticado, receberá a doação de uma coleira, que tem validade de seis meses e também evita carrapatos e pulgas.

LEIA MAIS: Prefeitura fará investimento de R$ 100 mil para prevenir a leishmaniose