Santa Cruz 11/09/2019 18h21 Atualizado às 20h22

Ari Thessing confirma que irá sair do PT

Vereador que está entre os mais antigos do município irá se desfiliar em março e deve migrar para o Cidadania

Um dos recordistas de mandatos na Câmara de Santa Cruz, o vereador Ari Thessing confirmou nesta quarta-feira, 11, que irá se desfiliar do PT, partido pelo qual milita há 32 anos, no ano que vem. Não se trata de uma surpresa: as conversas de Thessing com outras siglas já eram de conhecimento público e, na semana passada, ele renunciou à liderança da bancada no Legislativo e não participou da eleição interna da legenda. Na prática, o desconforto de Thessig no ninho petista se criou após ele e o então colega Paulo Lersch terem articulado, na virada de 2016 para 2017, apoio ao governo Telmo Kirst sem a chancela do diretório municipal. A crise aumentou com o voto favorável dos dois a projetos de lei polêmicos do Palacinho, como o que restringiu o pagamento de auxílio-alimentação aos servidores municipais em julho do ano passado. Nesse meio tempo, Thessing e outras lideranças petistas chegaram a trocar farpas pela imprensa e ele foi denunciado à executiva estadual.

À Gazeta do Sul, Thessing, que está no sétimo mandato de vereador, admitiu que os problemas internos se tornaram "inadministráveis" e voltou a defender o seu apoio ao governo. "O Telmo está fazendo um governo estupendo. Não tinha por que não apoiar", disse. O parlamentar lembrou ainda que o PT já havia feito alianças no passado - em referência à coligação com o PTB que venceu a eleição para a Prefeitura em 2008 e da qual ele também foi um dos principais articuladores. "E não me arrependo disso. Inclusive, companheiros que à época eram contrários depois fizeram fila para receber cargos", provocou. Embora negue mágoas em relação ao PT, Thessing admitiu que a desfiliação - que só será formalizada em março, quando será aberta a janela prevista na legislação eleitoral para vereadores trocarem de partido sem perder os mandatos -, lhe causa tristeza. "Minha conduta sempre foi de cumprimento do estatuto. Nunca recebi sequer uma advertência."

Com o anúncio, Thessing fica mais próximo de fechar sua transferência para o Cidadania (antigo PPS), pelo qual deve concorrer novamente à Câmara no ano que vem. Questionado sobre as negociações, que foram confirmadas pela presidente estadual da legenda e deputada estadual Any Ortiz, o vereador reconheceu estarem "bem encaminhadas". Alegou ter simpatia pelo estatuto da sigla, que jamais elegeu um vereador em Santa Cruz, e admiração pelo presidente nacional Roberto Freire. "É um destino natural", disse. O que também facilita a aproximação é o fato de o Cidadania integrar a base de Telmo.

Procurado, o recém-eleito presidente do PT em Santa Cruz, Frederico de Barros Silva, disse que até o momento o partido não recebeu manifestação formal de Thessing em relação à sua saída. "Caso seja encaminhado ao partido a sua declaração ou intenção de saída, nós iremos analisar e tomar um posicionamento. Entretanto, vejo essa situação como um fato não consumado ainda", alegou.