Blitz Gazeta 12/09/2019 00h18 Atualizado às 11h31

Como está o andamento das obras em Santa Cruz do Sul

Confira a situação das principais construções em execução na área urbana e quais as previsões de conclusão dos serviços

Bloqueada desde 13 de agosto, a Rua Senador Pinheiro Machado deve ser liberada nesta sexta-feira, 13. Durante um mês de trabalhos, a quadra localizada entre as ruas Venâncio Aires e Tenente Coronel Brito esteve interditada para a realização de uma drenagem pela Secretaria de Obras e Infraestrutura (Seoi).

Conforme o secretário Leandro Kroth, a previsão de liberação só será alterada em caso de chuva. “Falta apenas uma caixa de drenagem a ser concluída, mas isso não impede de liberar o trânsito. Apenas não liberei nesta quarta-feira porque queremos fazer uma limpeza superficial na via com a motoniveladora”, comentou nessa quarta.

O semáforo da esquina entre as ruas Senador Pinheiro Machado e Venâncio Aires também precisará de ajuste. Conforme Kroth, em virtude dos serviços na área, o sinal que era de três tempos passou para dois e precisará retornar ao modo anterior. Após a liberação, a Seoi irá monitorar a via para analisar adaptações.

A drenagem na Senador vem ocorrendo simultaneamente com a obra da nova superparada, que está em construção na Rua Tenente Coronel Brito, em frente às Lojas Lebes, e servirá para dar o escoamento à água pluvial que costumava alagar o ponto de ônibus e invadir lojas nas proximidades.

Foto: Rodrigo AssmannSecretário Kroth acompanha trabalhos
Secretário Kroth acompanha trabalhos

 

“Já estamos com as novas galerias de concreto armado todas prontas, colocamos rachão, base de brita graduada e grades nas caixas de pedra grês para captação das águas pluviais”, explicou o secretário. Após a conclusão da laje para os ônibus, terá início a construção da estrutura metálica da superparada. A obra tem previsão de ser inaugurada em outubro, durante a Oktoberfest, no dia 9.

Outra obra é o asfaltamento na rua em frente à Havan, fruto de uma parceria entre a Prefeitura e a direção da megaloja. “Pretendemos concluir antes da inauguração da loja.”

Lago Dourado

As obras do complexo turístico planejado para o Lago Dourado estão em andamento. De acordo com o engenheiro civil da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão, Daniel Feuerharmel, que é fiscal da obra, está sendo executada a terraplenagem da duplicação da pista.

“Até junho devem ser concluídos a terraplenagem, o asfalto da pista, o plantio de grama e a drenagem no local, além da construção de uma via de acesso para veículos em dois novos estacionamentos”, afirma o engenheiro. Tão logo se encerre essa etapa, a Prefeitura pretende iniciar o módulo seguinte de construção do complexo. O trabalho envolverá a preparação de áreas que vão receber espaços de lazer com quadras esportivas, quiosques, churrasqueiras, playground e outros.

“Possivelmente, quando finalizarmos a duplicação da pista, poderemos abrir parte do Lago Dourado para visitação do público”, diz Feuerharmel. Conforme o secretário Leandro Kroth, a obra segue a legislação ambiental para extração de terras em área próxima ao Parque de Eventos. Os serviços no Lago Dourado são realizados por um consórcio firmado pela empresa Base Vias e construtoras Giovanella e Casa Nova. O investimento estimado é de R$ 10,6 milhões pagos pela Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), conforme o contrato com a Prefeitura.

LEIA MAIS: Lago Dourado ficará fechado ao público até o fim do ano

 

Restaurante da Cruz

Foto: Bruno Pedry

 

As obras do Restaurante do Parque da Cruz chegaram a 17% de conclusão. Segundo o engenheiro civil da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão, Ramiro Nunes, fiscal da obra, o ritmo está abaixo do previsto. “Deveria estar cerca de 30% concluída, no entanto houve modificações que fizemos no projeto inicial, que teria um aterro e precisou ser substituído por uma laje de piso. Isso demandou uma retificação no cálculo estrutural do projeto e, como consequência, aconteceu esse atraso”, explica.

Outro fator que teria contribuído para o atraso na obra, segundo o engenheiro, foi a sondagem do terreno, feita por uma empresa terceirizada. “A rocha encontrada era de uma resistência acima do esperado. Precisamos usar equipamentos pesados como rompedores hidráulicos para perfurar”, salienta Ramiro. Após a conclusão das cortinas de concreto, o próximo passo será a instalação das vigas e construção das lajes. Depois serão erguidas as paredes de alvenaria. O prazo para conclusão da obra é 11 de fevereiro de 2020. Contudo, diante do atraso, o restaurante deve ser inaugurado apenas no final do primeiro semestre do ano que vem.

LEIA MAIS: Obra do Restaurante Parque da Cruz entra em nova fase

 

Trevo da Philip Morris

Foto: Bruno Pedry

 

Liberada para tráfego de veículos desde abril, a rótula da BR-471, perto da Philip Morris, no Distrito Industrial, segue na fase de ajustes. No momento estão sendo construídos meios-fios reforçados de concreto nas laterais das pistas. Leandro Kroth cita a experiência em outros lugares como justificativa para reforçar a estrutura dos meios-fios na rótula junto à Philip Morris.

“Em outros pontos, alguns motoristas de caminhões não respeitam o espaço da via e, mesmo com espaço suficiente, passam por cima e destroem os meios-fios. Já estamos antevendo essa situação.” Kroth comemora a redução em acidentes fatais no local, que já foi conhecido como “trevo da morte”. “Ficamos satisfeitos em ver que resolvemos esse grave problema. São essas situações que deixam a gente feliz e nos motivam a trabalhar mais.”

LEIA MAIS: Com trânsito liberado na rotatória da BR-471, sinalização é reforçada

 

Acesso Grasel

Foto: Bruno Pedry

 

Outro ponto da cidade que vem recebendo adaptações é o Acesso Grasel. As laterais da pista estão sendo alargadas para receber calçadas. “Estamos criando um espaço para estacionamento com iluminação própria, que receberá bancos de praça para as pessoas que quiserem apreciar a natureza e tomar um chimarrão”, afirma o secretário de Obras e Infraestrutura, Leandro Kroth. Esse trabalho deve se estender até meados de dezembro ou janeiro. “Vamos seguir no alargamento das laterais conforme for possível e viável em termos de adaptação do terreno”, finaliza Kroth.

LEIA MAIS: Aos 94 anos, aposentado é a memória viva do Acesso Grasel