Irregularidades 02/12/2019 15h45 Atualizado às 16h51

"Não se encerra por aí", diz promotor sobre caso de vereador

Érico Barin indicou que outras situações na Câmara são alvo de investigação

Após o Ministério Público pedir à Justiça o afastamento do vereador de Santa Cruz Elo Schneiders (Solidariedade), o promotor de Defesa Comunitária, Érico Barin, que conduziu o inquérito contra o parlamentar, disse nesta segunda-feira, 2, que os fatos apontados na denúncia são “gravíssimos” e que outras situações ocorridas na Câmara são investigadas.

Schneiders e três ex-assessores foram denunciados por improbidade administrativa em função de uma série de supostas irregularidades cometidas na Câmara e na Secretaria Municipal de Agricultura, que incluem captação de salários de servidores e uso da máquina pública para fins particulares. A Justiça ainda não se manifestou sobre o pedido de afastamento.

Em entrevista ao programa Rede Social, da Rádio Gazeta, Barin lamentou o fato de irregularidades terem sido flagradas na Câmara mais uma vez e lembrou a prisão preventiva do ex-vereador Paulo Lersch, que também foi denunciado por prática de “rachadinha”. “(A investigação) não se encerra por aí. Existem outras situações que serão tornadas públicas logo adiante e dizem respeito à Câmara de Vereadores, infelizmente. Não obstante toda a nossa insistência, não obstante um vereador ter sido preso, temos situações que se repetem”, criticou.

Barin disse ainda que o MP seguirá agindo para “erradicar” as irregularidades no poder público enquanto for necessário. “Santa Cruz do Sul é uma cidade diferente para melhor. Temos que erradicar esse tipo de coisa. Não é mais tolerável que, em pleno século 21, a gente tenha que se deparar com essas situações”, falou.

LEIA MAIS
MP pede afastamento de vereador em Santa Cruz
Secretário de Agricultura de Santa Cruz pede demissão do cargo