Fake news 13/02/2020 09h57

Mensagem que aponta casos de coronavírus no Vale do Taquari é falsa

Informação têm circulado em grupos de WhatsApp

Tem circulado em grupos de WhatsApp a mensagem de que há pacientes internados com coronavírus no Hospital Bruno Born (HBB), em Lajeado, no Vale do Taquari. No entanto, a casa de saúde emitiu nota em que nega a informação.

No texto, a assessoria ainda diz que não ocorreram casos suspeitos na instituição e que está atenta à propagação da doença. O novo balanço aponta 1.366 mortes na China e uma nas Filipinas, além de 60 mil infecções.

Confira a nota
“O Hospital Bruno Born (HBB), de Lajeado (RS), informa que, ao contrário de mensagens que estão circulando em grupos de WhatsApp, não há casos de coronavírus registrados na casa de saúde. Também não ocorreram casos suspeitos na instituição.

Assim como outros hospitais gaúchos, o Bruno Born está atento à propagação da doença e cumpre todos os protocolos necessários e exigidos pelo Ministério da Saúde na prevenção e no controle desta situação.


LEIA TAMBÉM: “É como estar num hotel em dia de chuva”, conta venâncio-airense sobre quarentena

Desmitificando o coronavírus: o que é mito e o que é verdade*

O coronavírus é um vírus novo?
Embora a cepa de vírus nCoV-2019 seja considerada nova, ela vem de uma família de coronavírus identificada pela primeira vez na década de 1960. Seu nome vem das projeções em forma de coroa em sua superfície e é derivado de corona, o termo latino usado para coroa.

Ouvi dizer que foi por causa da sopa de morcegos que as pessoas foram infectadas, é verdade?
Os morcegos têm sido implicados na disseminação de vários vírus mortais entre humanos, incluindo Ebola, raiva, Sars e Mers. Mas até aqui não se sabe se eles têm alguma relação com esse novo coronavírus. Além disso, a sopa não infectaria ninguém porque a fervura mataria o vírus. Potencialmente perigosos seriam a manipulação das carcaças e o contato com o sangue do animal.

Há relação entre tomar chá de erva-doce várias vezes ao dia e impedir a doença?
Não há comprovação científica nessa recomendação, inclusive a erva-doce não tem relação alguma com o medicamento indicado para tratar e prevenir gripe como tem sido divulgado em algumas mensagens que circulam pela internet.

Álcool gel mata o vírus?
Sim, o álcool funciona porque tem um efeito imediato sobre a camada de gordura que recobre o vírus. Entretanto, não é um efeito duradouro e, por isso, é recomendado que as pessoas lavem as mãos e usem o álcool gel muitas vezes ao longo do dia.

Vitamina C reforça a imunidade?
Não, a vitamina C nunca teve eficácia demonstrada em estudos de prevenção de infecções e, inclusive, ela em excesso deixa a urina ácida, o que pode precipitar a formação de cálculos renais em pessoas predispostas.

Lavar as mãos muitas vezes ao dia impede a infecção?
Lavar as mãos sempre ajuda muito e é a melhor coisa a se fazer pela saúde, mas apenas lavar as mãos não impede uma transmissão de vírus.

Todo contato físico é um risco?
Para uma pessoa doente contaminar outra é preciso mais do que um abraço, por exemplo. Esse vírus não se propaga tão facilmente como o vírus do sarampo. Se alguém espirra, as partículas do coronavírus são pesadas e não ficam por muito tempo suspensas no ar. Isso o torna menos contagioso, ainda que o contato com as secreções em superfícies e nas mãos, por exemplo, seja importante para a disseminação do vírus.

Há alimentos que impedem que o organismo seja afetado ou reforçam a imunidade?
Nenhum alimento tem esse poder de impedir que alguém seja afetado ou reforce a imunidade a ponto de combater um vírus. O que sempre recomendamos é que as pessoas tenham uma alimentação balanceada e sigam hábitos saudáveis, que são bons para a saúde de forma geral.

Meus amigos disseram que um medicamento específico, indicado para tratar e prevenir gripe, pode ajudar. É verdade?
Há estudos que estão sendo feitos para verificar a eficácia de se usar o oseltamivir em combinação com o lopinavir + ritonavir (associação de medicamentos usada para combater o HIV), mas por enquanto não há evidência de que isso irá funcionar para combater o novo coronavírus.

Há algum risco de que animais de estimação espalhem o vírus?
Não, de forma alguma. Mesmo na China, onde o vírus está circulando, não se sabe de casos de que animais domésticos tenham sido responsáveis pela transmissão do vírus, mas sempre é bom lavar as mãos após ter contato com cães, gatos e bichos de estimação para se proteger de outros microrganismos que podem ser transmitidos por meio desse contato.

Existem doenças que tornam pessoas mais vulneráveis ao vírus?
Sim, há pessoas que têm maior risco de ficar doentes, dentre elas os idosos, os imunossuprimidos e quem sofre de doenças crônicas, como pessoas com câncer, doenças cardíacas e pulmonares graves, pessoas vivendo com HIV, quem faz diálise e transplantados.

Existe risco em receber correspondência ou um pacote vindo da China?
Não há risco. É seguro. As pessoas não seriam infectadas por cartas ou pacotes vindos da China porque o vírus não sobrevive muito tempo fora de um organismo vivo.

Usar soro fisiológico várias vezes para limpar as narinas podem evitar a infecção?
Não. O soro é usado para umidificar as narinas e trazer alívio para os sintomas como coriza ou obstrução nasal, por exemplo, mas a fórmula não traz nenhum tipo de componente que tenha atividade contra o vírus.

Tomar antibióticos pode ajudar o organismo a combater o vírus?
Antibióticos não têm efeito algum contra vírus e, se não há nenhuma doença, podem matar as bactérias benéficas da flora intestinal, podendo deixar a pessoa vulnerável a outras doenças. Antibióticos devem ser usados criteriosamente para combater infecções causadas por bactérias, e aqui estamos falando de um vírus.

*Informações repassadas pelo médico infectologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, João Prats

LEIA MAIS: Médicos usam remédios contra HIV e ebola para tratar novo coronavírus