Mais caro 25/03/2020 22h52

Dúzia de ovos dobra de preço nos supermercados de Santa Cruz

Alta no valor é justificada pelo período de entressafra e pela estiagem que castiga a região

Quem faz as compras de casa nos supermercados já deve ter percebido que os preços de produtos hortigranjeiros, como verduras, legumes, frutas e ovos, dispararam. Em meio à entressafra da produção e à estiagem que castiga a região desde novembro do ano passado, nesta semana o preço da dúzia de ovos praticamente dobrou nos supermercados santa-cruzenses. Em algumas lojas já há até limitação da compra do produto.

O empresário Jackson Roth explica que a aquisição de ovos com os fornecedores está complicada. “Nesta semana mesmo o preço subiu muito, pois trocamos o fornecedor. Além da estiagem, este é um período de entressafra na produção de ovos. Por conta disso, o produto geralmente é mais caro”, avaliou Roth.

LEIA MAIS: Supermercados alteram horário e fecham no domingo

Ele conta que os preços dos demais itens, como laranja, banana, batata e tomate, por exemplo, tiveram reajustes por causa também da escassez gerada pela falta de chuva no Rio Grande do Sul (veja no quadro abaixo). “Eu acredito que 90% da responsabilidade para o aumento de preços é da estiagem e não do volume maior de compras nas lojas”, justificou o empresário Celso Müller. Ele destacou que a falta de chuva se reflete no preço dos produtos e na limitação de alguns deles, em parte da rede de supermercados instalada em Santa Cruz do Sul.

IMPORTANTE: pesquisa realizada na tarde dessa terça-feira, das 14 horas às 15h30, junto às principais redes de supermercados em Santa Cruz do Sul. A Gazeta do Sul não considerou ofertas de ocasião no levantamento.

No caso dos ovos, por exemplo, há limite de compra na Comercial Zaffari. A loja estipulou no máximo cinco dúzias por cliente. “Os consumidores estão comprando muitas coisas, de todos os gêneros e segmentos. Desde o papel higiênico à carne e os produtos da cesta básica”, detalhou Roth. O motivo é a pandemia do coronavírus. Segundo ele, na semana passada o volume de clientes nos supermercados foi 40% maior. “Agora estabilizou, mas ainda não temos os dados finalizados desta semana”, disse Roth.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS