Pandemia 27/03/2020 22h16

Saiba se os animais podem pegar coronavírus

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) não há evidência de que os pets possam transmitir a doença para os humanos

A preocupação com a pandemia do novo coronavírus faz muitos tutores se preocuparem se os animais podem também ser contaminados pela doença. Em Hong Kong, na China, foi registrado o caso de um cãozinho com nível baixo do vírus. Da raça Lulu da Pomerânia, o animal foi encaminhado para avaliação em uma clínica veterinária após a proprietária ser diagnosticada com a doença.

No entanto, não há motivo para alardes. Os níveis detectados no cachorro são baixos e o animal não apresenta nenhum sintoma. Além disso, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) não há evidência de que os pets possam transmitir a doença para os humanos, pois o organismo dos cães funciona de forma bem diferente em relação ao das pessoas, e os pets tendem a ser resistentes a diversos tipos de vírus.

Muitas dúvidas têm surgido a respeito da doença, de acordo com a veterinária Tamara Rocha, proprietária da Clínica Vitalis. Existem vários tipos de coronavírus, que já circulam há anos, inclusive variedades que afetam cães e gatos. “O fato de ser nomeado coronavírus não significa que no canino e o felino sejam o mesmo vírus que esta cepa do coronavírus humano, que tem causado todo este pânico”, explica.

LEIA TAMBÉM: Três pessoas estão internadas em Santa Cruz com suspeita de Covid-19

Conforme a profissional, o vírus tende a ser espécie-específico , ou seja, ele faz a mutação e se acometeu humanos é provável que só vá atingir pessoas, primatas e algumas espécies com o DNA semelhante. Da mesma forma o coronavírus felino só acomete gatos e alguns felinos selvagens e o canino só vai acometer cães e também alguns canídeos. “É um risco remoto, mas não é estar em casa com o seu bichinho que vai incorrer em algum risco. Atualmente não existe nenhuma evidência, nada que justifique uma preocupação em função dos nossos animaizinhos que estão em casa.”

Para Tamara, os cuidados com os pets neste momento não precisam ser diferentes dos cuidados habituais. É importante que cães e gatos estejam com as vacinas em dia, já que dentro da vacinação anual que eles devem receber existe também a cepa do coronavírus que os afeta, mas não significa que isso vai ser passado para as pessoas, já que os vírus humanos e animais são diferentes. “Eles não vão pegar a cepa de coronavírus que está causando a pandemia”, conclui a veterinária.

LEIA TAMBÉM: Santa Cruz tem disponibilidade de 50 respiradores

Vírus são de espécies diferentes
O vírus Sars-CoV-2, responsável pela atual pandemia, é apenas um dentre diversas espécies de coronavírus que são conhecidos desde a década de 1960 e estão associados ao desencadeamento de infecções respiratórias que vão desde casos com sintomas leves, semelhantes a um resfriado, até casos mais complexos e graves.

De acordo com a médica infectologista Manoela Vaucher, os coronavírus compreendem uma família de vários vírus RNA que infectam tanto o homem quanto algumas espécies de animais. “São chamados assim pelo seu formato similar a uma coroa. Existem quatro subfamílias, a saber, alfa, beta, gama e delta-coronavírus. O vírus atual encontra-se na subfamília Beta e é muito semelhante ao vírus SARS-CoV, da epidemia de 2002”, explica.

Os vírus SARS-CoV, que causa a síndrome conhecida como SARS (Severe Acute Respiratory Syndrome), e o MERS (Middle East Respiratory Syndrome) foram associados a quadros mais graves de infecção respiratória. Em 2002, o SARS se espalhou por 12 países, infectando mais de 8 mil pessoas e causando 800 mortes. Já o MERS foi isolado em 2012 na Arábia Saudita, passando a outros países.

As variedades que atingem cães e gatos são outras e a vacina que já existe para os pets é diferente, não tendo efeito para a prevenção da Covid-19 – doença causada pelo novo coronavírus. Conforme a infectologista, a vacina não seria eficaz,por ser outro tipo de vírus. “Novas vacinas já estão sendo produzidas, mas provavelmente somente ficarão prontas no próximo ano.”

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS