Alternativas na crise 07/04/2020 06h54

Lojas encontram maneiras para redução de prejuízos

Sindigêneros acredita que haverá uma queda natural na venda de produtos de Páscoa. Os supermercados estão abertos, mas o poder aquisitivo dos consumidores caiu

Apesar de considerar cedo para avaliar se os negócios serão bons, em razão das circunstâncias atuais com a pandemia do novo coronavírus, o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios dos Vales do Rio Pardo e Taquari (Sindigêneros), Celso Müller, acredita que haverá uma queda natural na venda de produtos de Páscoa. Os supermercados estão abertos, mas o poder aquisitivo dos consumidores caiu. As prioridades passaram a ser o essencial para a alimentação e a higiene.

Müller explicou que os varejistas adquiriram os produtos e não tiveram como se preparar para a queda abrupta no movimento. “Os valores não mudaram em relação ao ano passado. Estamos com dificuldade de projetar qualquer coisa. Teremos alguma noção a partir de quinta-feira, quando deve se intensificar o volume de compras para a Páscoa”, apontou.

LEIA TAMBÉM: O que muda no comércio de Santa Cruz a partir desta segunda

Lojas especializadas enfrentam o desafio de vencer a crise no melhor período de vendas para o setor durante o ano. Na Chocolates Brasil Cacau, a proprietária Denise Souza acredita que o estabelecimento poderia abrir por ter o mesmo perfil da venda nos supermercados. Para minimizar as perdas, o contato com os clientes é feito pelo WhatsApp, no número 99997 0779. Alexandre Coelho faz as entregas de carro. “Estamos cumprindo o decreto, mas queríamos uma abertura com controle de clientes. Está complicado para pagar funcionários e aluguel”, disse Denise.

Vendas ocorrem por WhatsApp e Alexandre Coelho realiza as entregas de carro

Na Clip Graffite, as vendas também são feitas de modo virtual. Os clientes recebem fotos dos produtos e fazem os pedidos pelo número 99611 1794. As pessoas precisam avisar que estão indo e um funcionário leva a sacola até o carro do cliente. A demanda cresceu desde quinta-feira e a equipe precisou ser reforçada para dar conta. A loja ainda conta com chocolate em quilo e formas para quem pretende fazer ovos em casa. “Sabemos que não vai ser igual se comparado com a loja aberta. Mas com as encomendas, esperamos que não seja tão ruim. As cestas fazem sucesso, em cinco modelos que montamos”, destacou a gerente Jaqueline Freese.

LEIA TAMBÉM: Estabelecimento alimentício consegue liminar e pode voltar a funcionar


MAIS LIDAS