AEDES AEGYPTI 16/05/2020 08h49

Região já tem 85 casos confirmados de dengue

Município com maior número de registros da doença, Venâncio Aires vem realizando dedetizações em ruas e pátios de casas

Enquanto as atenções estão voltadas à pandemia do novo coronavírus, outra doença começa a preocupar. A dengue já contabiliza na região de abrangência da 13ª Coordenadoria Regional de Saúde (13ª CRS) 85 casos confirmados neste ano, e outros 167 suspeitos que ainda aguardam pelo resultado. Venâncio Aires é o único município com a incidência da doença no Vale do Rio Pardo. As confirmações da doença se concentram no Centro e nos bairros Coronel Britto, Aviação e Gressler. Nos demais municípios, não há registro até o momento. Em todo o ano passado, a 13ª CRS contabilizou 233 casos suspeitos e 62 confirmados.

A coordenadora da 13ª CRS, Mariluci Reis, explicou que medidas estão sendo tomadas em Venâncio Aires para combater o mosquito Aedes aegypti, vetor da doença, entre elas a dedetização de ruas e pátios de residências. “Durante dois dias, técnicos do Centro Estadual de Vigilância em Saúde, juntamente com equipe do município, iniciaram a aplicação do produto para conter o mosquito.” Novas dedetizações estão programadas para ocorrerem na segunda-feira e na terça-feira, em locais que registraram positividade de casos de dengue.

LEIA MAIS: Plano de Contingência prevê ações em caso de epidemia de dengue em Santa Cruz

Mariluci informou que, embora nenhuma pessoa tenha desenvolvido um quadro grave da doença ou que precisasse de internação, a evolução dos casos preocupa. “Em Venâncio Aires, focos do mosquito foram localizados em toda a cidade. A população tem de se conscientizar e conferir seu pátio. Às vezes, as agentes de endemias percorrem quatro quadras e, quando veem, na primeira quadra já tem foco novamente”, afirmou.

Contra o Aedes: técnicos do Estado e do município realizaram dedetização em diversos pontos, inclusive no Parque do Chimarrão

Em 2019, megaoperação em maio
Embora as ações conjuntas para o combate do mosquito Aedes aegypti no município de Santa Cruz do Sul estejam reduzidas em comparação com anos anteriores por conta da pandemia da Covid-19, a administração municipal informou que as agentes de endemias realizam visitas às residências com o objetivo de conscientizar a população e verificar a existência de possíveis focos. Sem detalhar como o trabalho é desenvolvido, a Prefeitura informou que, até o momento, nenhum caso da doença foi confirmado.

Das 22 notificações suspeitas em Santa Cruz do Sul, 18 foram descartadas e quatro seguem em investigação. No mesmo período do ano passado, o município contabilizou 24 casos confirmados da doença. A Vigilância Epidemiológica informou que um dos motivos para a redução de ocorrências pode estar relacionado com a falta de chuvas no período, o que impossibilitou os ovos de eclodirem.

No ano passado, em função do surto de dengue registrado em Santa Cruz do Sul, no mês de maio começou uma megaoperação de combate ao mosquito transmissor nos bairros com maior número de notificações da doença. As ações com o objetivo de exterminar os focos do Aedes aegypti envolveram a varredura em diversos locais da cidade, com a participação de equipes de várias secretarias, da Defesa Civil e do Exército.

LEIA MAIS: Secretaria da Saúde faz alerta sobre dengue e leptospirose

Pior cenário em cinco anos no RS
O último levantamento da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul (SES/RS), por meio do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS/RS), divulgado nesta semana, apontou que o Estado possui 4.492 casos suspeitos de dengue, 2.649 confirmados e 2.281 autóctones, 1.068 foram descartados, 80 inconclusivos, e 695 aguardam a investigação. Desde o início do ano, quatro pessoas morreram vítimas da doença. Os óbitos foram registrados nos municípios de Santo Ângelo e Santo Cristo. Em 2015, que foi considerado o ápice da dengue no Estado, houve duas mortes.

LEIA MAIS: Momento requer cuidados com o mosquito da dengue em Santa Cruz