Abastecimento 23/05/2020 10h26

Em um dia, Lago Dourado aumenta 13 centímetros

Corsan aponta que nível passou de 2,62 para 2,75 metros entre quinta e sexta-feira, graças às fortes chuvas durante a semana

O cenário do Lago Dourado, em Santa Cruz do Sul, começa a mudar. A recuperação de forma parcial acontece desde que foram registradas as precipitações mais fortes na região, no começo da semana passada. Somente nessa quinta-feira, foram 66,6 milímetros de chuva, o que contribuiu para que o nível do reservatório passasse de 2,62 para 2,75 metros. O aumento foi de 13 centímetros.

O superintendente regional da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), José Roberto Epstein, explicou que a mudança não é uma consequência somente do reflexo da chuva, mas do sistema de bombeamento de captação que está ligado ao Rio Pardinho. “Em dez dias, desde que as primeiras precipitações tiveram início, o nível do lago, que estava em 2,3 metros, subiu 43 centímetros. A captação através das bombas também foi decisiva”, disse.

Para regularização da situação, de plena conservação do reservatório, Epstein calcula que seriam necessários, pelo menos, 60 dias. “A recuperação é lenta e depende da captação de água da chuva e da adutora que vem do rio, a qual tem uma vazão limitada. Por isso, mesmo que chova em grandes quantidades, a vazão será pequena”, explicou.

Sem ainda conhecer o acumulado do volume de chuva nos municípios de Gramado Xavier e Sinimbu, região que contribui para o abastecimento do rio, Epstein garantiu que a chuva foi significativa.

LEIA MAIS: Chuva supera média do mês e faz Lago Dourado subir 13 centímetros

Atualmente, a recarga do Lago é feita apenas por duas bombas de captação de água instaladas junto ao Rio Pardinho, uma com capacidade de captar 60% da água e a outra com 70%. “Temos uma balsa e uma terceira bomba disponível, mas por enquanto não serão necessárias. Estamos avaliando a situação agora, com a chegada das chuvas”. As duas bombas devem permanecer ligadas até a total recuperação do reservatório. “O desafio inicial era postergar o máximo possível até a chegada das chuvas. Agora, temos de acelerar a recarga para o próximo verão”, afirmou Epstein.

Com base em prognóstico da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, ele avalia a possibilidade de uma nova estiagem no início do próximo verão, em níveis bem mais acentuados que a registrada recentemente. A Corsan, de forma preventiva, executa diversas ações para garantir o abastecimento também neste período.

LEIA TAMBÉM: Corsan capta água direto do Rio Pardinho para poupar Lago Dourado

CHUVAS DE MAIO ULTRAPASSAM O NORMAL
As precipitações de chuva para o mês de maio até o momento chegaram a 164 milímetros, e a evaporação foi de 46,4 milímetros. Os volumes da semana passada chegaram a 93 milímetros, enquanto as precipitações da última quinta e da sexta-feira tiveram o acumulado na Estação Meteorológica da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc) de 70,6 milímetros.

Conforme o professor de Agrometeorologia Marcelino Hoppe, o volume de chuva é mais do que a média prevista para todo o mês, que fica em cerca de 120 a 150 mm. “Está acima dos 120 milímetros além do que evaporou, e o solo já começa a se recuperar.” No ano passado, o volume registrado foi de 264,1 milímetros, sendo o maior registrado para o período desde o ano de 2004. O recorde geral para o mês foi o de 1941, quando obteve o patamar de 403,8 milímetros. Na ocasião, uma grande enchente atingiu a cidade.

LEIA MAIS: Rio Pardinho começa a reagir após as chuvas

Poços artesianos estão montados e aptos
Três poços artesianos – um em Rio Pardinho e dois nas proximidades do Lago Dourado – estão montados e aptos a funcionar. No entanto, o superintendente regional da Corsan, José Roberto Epstein, afirmou que eles deverão operar somente caso houver necessidade. “O gasto energético deles para aproveitamento é somente para uma situação de crise ou de emergência. A chuva possibilitou a mudança do cenário e das condições de operar”, disse. Um quarto poço, que seria instalado na Várzea, não chegou a ser perfurado, devido às condições climáticas, que impossibilitaram a máquina de operar.

LEIA MAIS: Chuva eleva o nível do Lago Dourado em 10 centímetros