SANTA CRUZ 16/06/2020 19h26 Atualizado às 22h55

Solicitações de seguro-desemprego mais que dobram na pandemia

Levantamento da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social revela crescimento de 135% nos pedidos em maio deste ano

Um relatório apresentando pela Fundação Gaúcha de Trabalho e Ação Social (FGTAS), com base no volume de pedidos de seguro-desemprego, revela um dos efeitos econômicos decorrentes da pandemia do novo coronavírus. Durante o mês de maio, 769 trabalhadores que perderam o emprego ingressaram com o pedido em Santa Cruz do Sul. O número é 135% maior do que o total de solicitações feitas em maio do ano passado, quando o sistema contabilizara 327 pedidos.

A grande maioria destes pedidos contabilizados durante o mês de maio foram feitos pela internet. Mesmo com a reabertura da agência, desde o último dia 11, foram contabilizados apenas 94 atendimentos presenciais. No entanto, pela internet foram computadas 675 solicitações. “Os pedidos podem ser feitos pelo aplicativo da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CPTS) digital. Apenas quando ocorre alguma divergência de informações o atendimento precisa ser na agência”, justificou o coordenador da FGTAS/Sine de Santa Cruz do Sul, Marcel Knak.

LEIA MAIS: Crise derruba a geração de empregos em Santa Cruz do Sul


Ele explica que a reabertura da agência zerou a fila de espera para o encaminhamento do seguro-desemprego entre os meses de março e de junho deste ano. “Contamos agora também com atendimento via WhatsApp. O trabalhador pode solicitar o agendamento pelo aplicativo e a gente marca o dia e a hora para encaminhar o seguro”, destacou. O WhatsApp da FGTAS/Sine de Santa Cruz é o 98445 6330.

O saldo acumulado no número de pedidos de seguro-desemprego desde o início do ano também é negativo. De janeiro a maio de 2019, foram registrados 1.540 pedidos, contra 2.649 solicitações neste ano, no mesmo período. Ou seja, em 2020 foram realizados 1.109 pedidos a mais do que nos primeiros cinco meses de 2019.

No Estado, a realidade não é diferente. O número de pedidos encaminhados durante o mês de maio também constituiu um recorde. Foram 66.820 solicitações do benefício, sendo que o número total de requerimentos representa aumento de 70,3% na comparação com o mês de maio de 2019, e de 25,9% em relação ao último mês de abril.

LEIA MAIS: Venâncio e Santa Cruz lideram a geração de emprego no país em 2020


Um período sem encaminhamentos de vagas

Em função das restrições de aglomerações de público também não estão ocorrendo as entrevistas de emprego na agência da FGTAS/Sine de Santa Cruz. “Cada empresa tem realizado direto, sem a nossa estrutura. Nós não estamos encaminhando os trabalhadores também, apenas repercutindo as vagas abertas em nossas redes sociais”, disse o coordenador da FGTAS/ Sine, Marcel Knak.

Sobre a volta do atendimento aos trabalhadores ao mercado, o coordenador da agência ainda não tem a confirmação de quando o serviço estará ativo. Segundo ele, depende da liberação, por parte do governo do Estado, assim como da oferta de vagas, que deve vir dos empregadores.

LEIA TAMBÉM: Prefeitura estima que cinco mil poderão passar fome em Santa Cruz


Momento propício para se qualificar

Para a especialista em carreiras Fátima Gehlen, quem ficar desempregado por conta da pandemia do novo coronavírus precisa focar na qualificação. Ela explica que os trabalhadores que encaminharem o seguro-desemprego precisam aproveitar o tempo ocioso para ampliar o conhecimento e criar um diferencial. “É preciso estabelecer uma rotina de estudos e desenvolver novas competências, para que quando retornar ao mercado de trabalho estes sejam os diferenciais”, recomendou.

Fátima: o período deve ser aproveitado para criar um diferencial

A psicóloga explica que é inegável que o aumento de trabalhadores que estão perdendo o emprego é grande, e isso irá gerar um amplo volume de candidatos por vaga, em uma retomada das oportunidades, logo ali na frente. Segundo ela, quem aproveitar o tempo para estudar sairá em vantagem. “A internet está repleta de conteúdo qualificado, com certificação, e, o que é melhor, de acesso grátis. É preciso aproveitar esta oportunidade”, complementou.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS