Rio Pardo 17/06/2020 09h31 Atualizado às 14h38

Com salários atrasados, profissionais do Hospital Regional fazem manifestação

Conforme uma técnica de enfermagem que trabalha no local, mesmo com a chegada de um interventor na casa de saúde, os pagamentos ainda não foram realizados

Na manhã desta quarta-feira, 17, profissionais de saúde do Hospital Regional do Vale do Rio Pardo fazem uma manifestação pacífica na frente da instituição. Eles alegam que não receberam o salário deste mês e não há previsão para pagamento.

Uma técnica de enfermagem, que não quis se identificar, disse que o atendimento no hospital segue normalmente, mas que eles cobram um posicionamento da Casa de Saúde. “Queremos ser ouvidos e que as pessoas entendam que temos contas para pagar e também somos cobrados por isso”, desabafa.

LEIA TAMBÉM: Entre bens e dinheiro, apreensões na Operação Camilo chegam a R$ 5 milhões

Ela ainda acrescenta que profissionais que trabalham em outras cidades da região não têm recebido ajuda de custo para o deslocamento até Rio Pardo. “A gasolina é paga do próprio bolso e agora não se tem dinheiro para vir trabalhar.”

A Gazeta do Sul aguarda um posicionamento da Casa de Saúde que deve ser dado ainda nesta quarta.

LEIA TAMBÉM: Operação Camilo cumpre novos mandados de busca e apreensão

Mudança
A profissional alega que o hospital tinha dito que os pagamentos seriam feitos após a chegada de um interventor, o que ocorreu nesta semana. O Instituto de Administração Hospitalar e Ciências da Saúde (IAHCS) assumiu oficialmente como interventor do Hospital Regional do Vale do Rio Pardo. A entidade foi definida pelo Governo do Estado e pelo Ministério Público, após a casa de saúde passar por intervenção.

O nome do interventor foi homologado pela juíza Magali Wickert de Oliveira, de Rio Pardo. O IAHCS já administra outros hospitais no Estado. A entidade vai substituir a Associação Brasileira do Bem-Estar Social, Saúde e Inclusão (Abrassi), que teve os diretores afastados e alguns deles até presos dentro do inquérito que apura desvios que podem chegar a R$ 15 milhões.

LEIA TAMBÉM: Interventor assume o Hospital Regional do Vale do Rio Pardo na semana que vem