Economia 15/07/2020 09h06

Governador apresenta base da proposta de reforma tributária

Projeto deve ser encaminhado à Assembleia Legislativa até o início de agosto para valer no começo de 2021

O governador Eduardo Leite (PSDB) apresentou nessa terça-feira, 14, as bases da proposta de reforma tributária que pretende encaminhar à Assembleia Legislativa até o início de agosto. Embora não tenha revelado os detalhes, o que só deve ocorrer nesta quinta-feira, 16, Leite divulgou o que chamou de “conceitos básicos” do plano: auxiliar no equilíbrio fiscal do Estado, tributar melhor e promover uma tributação mais justa. A ideia é que o novo sistema entre em vigor em 1º de janeiro do ano que vem.

Uma das preocupações do governo é compensar as perdas de arrecadação com o fim do aumento das alíquotas do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) – medida aprovada durante o governo de José Ivo Sartori (MDB), prorrogada por Leite e cujo prazo é 31 de dezembro deste ano. O prejuízo é estimado em R$ 3 bilhões por ano – dos quais 75% ficam com o Estado e 25% são repassados para as prefeituras.

LEIA TAMBÉM: Os cinco caminhos que mostram a retomada da economia

Na videoconferência, Eduardo Leite descartou prorrogar novamente as atuais alíquotas. “Não nos faltariam argumentos para isso, inclusive porque há uma projeção de maior demanda por serviços públicos de saúde e educação, mas não é o que consideramos mais adequado”, afirmou.

Uma das mudanças que podem ser incluídas na reforma envolve o Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Segundo o governador, “há uma chance de quase 50% dos veículos não estarem pagando IPVA” e a maior parte dessa frota envolve veículos com mais de 20 anos, que são isentos pela legislação estadual. Tudo indica que o governo vai ampliar esse teto, assim como ocorre em outros estados. O Piratini também estuda alinhar as alíquotas de IPVA e de ITDA, que incide sobre heranças e doações, com as de outras unidades da federação para dar mais competitividade às empresas gaúchas e atrair investimentos privados.

Leite também antecipou que o governo pretende rever benefícios fiscais e ajustar a tributação de alguns segmentos da economia – de acordo com ele, existem atualmente setores “superonerados e outros subonerados”. O governador ainda indicou que haverá uma redução na tributação sobre produtos de consumo, como forma de tornar a estrutura tributária mais justa. No modelo atual, pessoas que têm renda menor recolhem mais impostos do que as pessoas que têm renda maior.

LEIA TAMBÉM: Pandemia fez arrecadação do Estado cair R$ 771 milhões até abril