AGOSTO 02/09/2020 22h33

Covid-19 desacelera em Santa Cruz, mas média é de 150 casos a cada 15 dias

Dados são do Observatório do Desenvolvimento Regional, da Unisc. Coordenador diz que é prematuro falar em estabilização do coronavírus

O Observatório do Desenvolvimento Regional (ObservaDR), projeto que compõem o Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Unisc divulgou, nessa quarta-feira, 2, novos dados referentes à pandemia em Santa Cruz do Sul. Entre os dias 28 de julho e 28 de agosto, o número de casos do novo coronavírus no município praticamente dobrou, saltando de 358 para 715 confirmados, o que corresponde a uma alta de 99,72%. Além disso, número de óbitos também cresceu, de três para oito no mesmo período. O Centro segue como o bairro que concentra o maior número de pessoas que já tiveram contato com o vírus.

Conforme o professor Rogério Leandro Lima da Silveira, coordenador do ObservaDR, é possível verificar desaceleração no crescimento, contudo, é preciso ter atenção aos números. “De um modo geral a gente pode identificar que houve uma queda no ritmo de crescimento dos casos, embora eles ainda sejam altos, mais de 170 casos a cada 30 dias”, afirma.


A primeira quinzena, entre 28 de junho e 13 de agosto registrou 184 casos – aumento de 51,39% -, enquanto a segunda quinzena, entre 13 e 28 de agosto teve crescimento de 31,91%. “Houve de fato uma redução, embora a gente chama a atenção que a cada 15 dias, surgem pelo menos 150 novos casos, é um ritmo muito alto”, destaca.


LEIA MAIS: Confirmados seis novos casos de Covid-19 em Santa Cruz nesta quarta

Em relação à distribuição desses casos no território de Santa Cruz do Sul, o Centro segue como o bairro com maior número de confirmações, passando de 60 para 100 casos entre o fim de julho e o fim de agosto, um aumento de 66,66%. Apesar disso, o ritmo de crescimento também desacelerou em relação ao período anterior, entre o fim de junho e o fim de julho. “Esse aumento de casos no Centro, ele diminui mas ainda é significativo, e isso tem a ver com a concentração de pessoas, e recorrentes aglomerações no comércio e serviços”, ressalta Silveira.

Nos bairros próximos à zona central da cidade é possível perceber a expansão da pandemia. Em alguns deles, inclusive, de forma expressiva. O Margarida/Aurora é o que teve o maior aumento em porcentagem, de dois para 15 casos, um salto de 650%. O Bom Jesus foi de seis para 19 (216%) e o Bonfim de seis para 16 confirmados (166%). Na Zona Sul do município o aumento também chama a atenção dos pesquisadores. Os bairros Pedreira, de cinco para 18 casos (260%); Santa Vitória, de dois para 13 (550%) e Esmeralda, de nove para 21 (133%) são os destaques.


LEIA MAIS: Reabertura de economias sem controle do coronavírus é “receita para desastre”, diz OMS

O relaxamento no distanciamento social, bem como o maior movimento no comércio e serviços são alguns dos fatores apontados pelo ObservaDR para explicar o atual cenário de Santa Cruz do Sul frente à pandemia. Contudo, ainda é cedo para tirar conclusões. De acordo com o professor Rogério Silveira, os dados coletados ao longo dos próximos 30 dias serão suficientes para realizar uma análise mais aprofundada e precisa do comportamento do vírus no município.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS