PERDA 15/09/2020 22h07 Atualizado às 22h43

“O dia mais triste da minha vida”, diz Bruna Molz sobre a morte de Cabeção

Cachorro, que foi adotado pela ativista em 2015 e tinha mais de 150 mil seguidores nas redes sociais, morreu nesta terça-feira

Morreu nesta terça-feira, 15, o cachorro Cabeção. O animal ficou famoso nas redes sociais depois que a tutora, a ativista da causa animal Bruna Molz, criou perfis para ele. No Facebook, Cabeção tem 153 mil seguidores. Outros 1,3 mil usuários o seguem no Instagram.

Ele foi resgatado de um bueiro, em março de 2015, por uma equipe do Canil Municipal de Santa Cruz do Sul. O cachorro tinha um ferimento grande na cabeça (que lhe rendeu o nome), além de feridas abertas na barriga. Um exame de raio-x indicou balas de espingarda alojadas no crânio dele. Bruna o adotou e passou a publicar sobre ele nas redes sociais.

Ao ser salvo da morte, há mais de cinco anos, Cabeção já era adulto. A ativista acredita que ele então tivesse cerca de sete anos. Por isso, estima que ele viveu até os 12 – idade avançada para um cachorro.

LEIA MAIS: Nove meses após ser resgatado, Cabeção é sucesso na internet


“Ele foi um divisor de águas na minha vida, para a minha luta pela causa animal. Virou símbolo de uma luta grandiosa e de uma revolução para a proteção animal aqui na nossa cidade”, disse Bruna Molz, que acredita que Cabeção era um predestinado. “Ele sempre foi um cachorro muito especial, sempre sabia para que veio. Ele ia comigo nas escolas, em palestras, as crianças faziam fila para fazer carinho nele. Ele nunca rosnou, nunca fez nada, ele sabia que veio para isso. Era a missão dele. Era a missão dele mostrar o quanto as pessoas podem evoluir em relação aos animais, que tudo o que tem vida merece nosso respeito.”

Segundo a ativista, Cabeção morreu de forma repentina. Ele teve febre no domingo e nessa segunda-feira foi levado a uma clínica veterinária. Fez exames, foi medicado e voltou para casa. Na manhã desta terça-feira acordou, mas não levantou. Foi levado de volta à clínica, onde acabou morrendo. O animal foi velado entre a tarde e a noite desta terça e será cremado nesta quarta-feira, 16, de acordo com Bruna.

Cabeção foi velado nesta terça-feira, 15, no Memorial Pet Caminho da Paz, em Santa Cruz | Foto: Arquivo Pessoal


“Ele foi um cachorro com uma luta grandiosa. Sobreviveu a tiro, a larvas, depois veio a leishmaniose, sobreviveu à leishmaniose, quase zerou o protozoário no sangue. Viveu feliz. Me ensinou muito, me ensinou a ser uma pessoa melhor. Vou amar ele eternamente”, afirmou.

LEIA TAMBÉM: Pandemia prejudica ações da causa animal; saiba como ajudar