FUMICULTURA 15/09/2020 23h47

Por dentro da safra: mais uma vez, em viagem ao Paraná

Enquanto no Vale do Rio Pardo tem chovido muito, os produtores paranaenses tiveram de atrasar o plantio do tabaco por causa da falta de chuva

Olá, pessoal! Tudo bem? Uma vez mais encontro-me em viagem. Fiz nessa segunda-feira, 14, o percurso entre Santa Cruz do Sul e Imbituva, no Paraná, com uma passada no caminho para buscar o meu colega de página Fumicultores do Brasil, o Alan Toigo, em Santa Catarina.

Na manhã desta terça, nos dirigimos a Ivaí, no Paraná, para, juntamente com o Anderson Rebinski, visitar uma propriedade e conferir os contratempos causados, com o atraso no plantio do tabaco, por causa da falta de chuva. Enquanto em todo o Vale do Rio Pardo os últimos dias têm sido muito chuvosos, por aqui é exatamente o contrário: há mais de três semanas a chuva falta.

LEIA MAIS: Chuva retorna ao Estado nesta semana; saiba quando


E a região Sul gaúcha já está colhendo

Se no Paraná falta chuva e o pessoal está com muita dificuldade para encaminhar o plantio da nova safra, muito diferente é o cenário na região Sul gaúcha. Na última quinta-feira, e na companhia de uma equipe da Gazeta do Sul, fui conferir a situação das lavouras em municípios daquela área. Muitos produtores, veja só, anteciparam o plantio para abril, como inclusive mencionamos na coluna na época. Ou seja, plantaram um mês e meio ou até dois meses antes do período normal, com a finalidade de escapar do risco de estiagem na primavera e no verão, bem como do sol muito forte. Segundo eles, também a qualidade é melhor no tabaco produzido mais cedo.

LEIA MAIS: Tabaco orgânico é a aposta em propriedade rural de Camaquã

O resultado é que, agora, famílias como a de Lucas Rodarski, de Sertão Santana (foto abaixo), já colheram a segunda apanhada em lavoura de 50 mil pés. No ano passado, eles haviam plantado bem no cedo 15 mil pés, e deu certo. Assim, agora optaram por antecipar 50 mil. E tanto eles quanto outras famílias dessa região plantaram mais uma parcela agora, na época correta, ou ainda vão plantar. São os contrastes ou as grandes diferenças no ambiente de cultivo do tabaco.


Canos novos para as nossas estufas

Enquanto uns já estão colhendo e outros aguardam a chuva para plantar, em nossa propriedade recebemos dois jogos novos de canos para as estufas convencionais, a de minha família e a de meus pais. É um procedimento necessário e muito importante, essa manutenção do encanamento, e deve ser feito no devido tempo, para que quando a colheita se iniciar, muito em breve, a estrutura esteja pronta. Para que a secagem ocorra bem e, principalmente, para não correr, de nenhuma forma, risco de perder tabaco.


À espera dos dias mais amenos

Os últimos dias foram de muita tensão para os produtores, com vendaval, chuvarada, granizo. Agora, parece que finalmente o tempo vai estabilizar. E isso é fundamental para que as plantações, com a volta do sol e da temperatura mais amena, possam se desenvolver. E é preciso capinar as lavouras, para a retirada de inços, e para que então as plantas possam crescer com pleno vigor.

LEIA MAIS: Por dentro da safra: mais uma vez o granizo causou estragos