Marechal Floriano 04/10/2020 16h52

Lojistas pedem agilidade na obra do novo calçadão

Intervenções para a revitalização iniciaram no dia 26 de junho. Ritmo lento no andamento é motivo de reclamações

As obras para revitalizar a Rua Marechal Floriano estão em andamento para transformar a principal via do Centro de Santa Cruz do Sul em um calçadão, com maior espaço para a circulação de pedestres e visual paisagístico e urbanístico repaginado.

Porém, as intervenções têm provocado transtornos. Os bloqueios geram congestionamentos e dificultam o trânsito, principalmente nos momentos de pico. A impossibilidade de estacionar nas proximidades dos estabelecimentos comerciais, escritórios e consultórios também gera irritação. Para quem está a pé, o desafio é evitar a lama nos calçados, presente após as frequentes chuvas dos últimos dias.

Neste cenário, houve diálogo entre lojistas e Prefeitura. De acordo com a empresária Cristiane Delai de Freitas, ela, outras duas proprietárias de lojas e o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Márcio Farias Martins, se reuniram com o secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão, Daniel Feuerharmel.

LEIA MAIS: Obra do calçadão da Floriano precisa de 15 dias sem chuva

Cristiane acredita que projeto será benéfico e vai ajudar a movimentar o comércio

Segundo Cristiane, Feuerharmel foi receptivo e explicou os motivos da demora. Um deles é estar dependente das empresas de telefonia e saneamento, por exemplo, que precisam adequar a rede de fios e cabos. Outro ponto é a questão climática. Nos dias de chuva ou de alta umidade no solo, o trabalho fica inviabilizado. A perspectiva é liberar a rua de forma completa para o trânsito até dezembro. Depois, o serviço será direcionado ao passeio público e itens complementares.

Para Cristiane, o contrato com a empresa licitada deveria ser adaptado por conta da pandemia, inclusive com a aplicação de multas severas para evitar atrasos. Segundo ela, o projeto será benéfico. “O ano já tem sido atípico. Não adianta se estressar. Já estamos lidando com as restrições, como o uso dos provadores e tapetes. Estamos tentando recuperar o período totalmente parados. Acredito que a obra vai ajudar a movimentar o comércio”, analisa.

Outros comerciantes, que preferiram não se identificar, também comentaram sobre o menor volume de clientes nas lojas pela dificuldade de estacionamento e as queixas em relação ao barro originado com a remoção dos paralelepípedos. O pedido é por celeridade, para uma conclusão rápida.

O que diz a prefeitura
Segundo o secretário Daniel Feuerharmel, os atrasos são resultado de interferências na execução da drenagem por diversos tipos de redes – hídrica, esgoto, elétrica e fibra óptica – e também pela interferência ambiental, por conta do manejo das raízes das árvores. Outra dificuldade é a menor incidência solar no local, o que aumenta o período de secagem do terreno após a chuva. Ainda há problemas operacionais da empresa responsável pela obra.

LEIA TAMBÉM: Obra do Calçadão começa em nova quadra da Floriano