Prato do dia 09/10/2020 19h45 Atualizado às 20h10

Eu, Gourmet: aprenda uma deliciosa receita de yakisoba

Nascida na China e popularizada no Japão, mistura de legumes e macarrão é um prato saboroso e fácil de preparar

O yakisoba é um prato saboroso e divertido de preparar. E uma ótima maneira de fazer aquelas crianças mais teimosas comerem legumes. A palavra yakisoba vem de “yaki” (assar) e “soba” (macarrão), significando literalmente “macarrão frito”.

A origem desse prato remonta aos séculos 17 e 19 na China. Mas foi somente no século 20, logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, que o prato chamado chao men ganhou uma nova versão e se popularizou no Japão.

Na época, por ser um alimento prático e barato, ele era capaz de satisfazer a fome do povo quando era necessário fazer o racionamento de alimentos (misturava-se bastante repolho picado ao macarrão chinês, cozido no vapor e depois era temperado com um molho de soja). E é esse preparo que estampamos hoje na receita da semana, o delicioso yakisoba!

LEIA TAMBÉM: Eu, Gourmet: aprenda a receita do cachorro-quente mexicano

COM O QUE E COMO FAZER*

Ingredientes: (para 4 pessoas)
500 g de macarrão para yakisoba cozido “al dente”
2 colheres de chá de óleo
300 g de carne bovina macia cortada em iscas
1 pimentão vermelho pequeno cortado em quadrados pequenos
1 cenoura pequena cortada em palitos finos
4 folhas de repolho cortado em quadrados
1 brócolis cortado em ramos menores
5 ervilhas-tortas cortadas em partes iguais
4 colheres de sopa de shoyu
Meia xícara de chá de água
1 colher de sopa de amido de milho
Pimenta a gosto

Preparo: em uma panela grande, coloque o óleo e leve ao fogo alto para aquecer. Junte a carne e frite até dourar. Acrescente o pimentão e a cenoura, e refogue por dois minutos. Adicione o repolho, os brócolis, a ervilha-torta, o shoyu e duas colheres de sopa de água, e deixe cozinhar em fogo médio, com a panela semitampada até o repolho murchar. À parte, cozinhe o macarrão. Junte o amido de milho já dissolvido na água restante e cozinhe por cerca de 3 minutos. Retire do fogo, junte o macarrão, mexa bem e sirva em seguida.

Confira receitas, crônicas e dicas de vinhos acessando o blog www.eu-gourmet.com

LEIA TAMBÉM: Eu, Gourmet: aprenda a preparar o linguado no envelope

FALA, BACO

Afirma-se que a uva italiana Primitivo foi a desbravadora do Novo Mundo vitivinícola levada pelas mãos dos colonizadores italianos no século 18 para vários países e principalmente aos EUA, onde é conhecida pelo nome de Zinfandel e carrega a mesma carga genética de sua mana italiana. É uma uva precoce e, por isso, costuma dar vinhos com bastante açúcar residual, o que significa um potencial de produzir vinhos com alto teor alcoólico.

A uva Primitivo nasceu na Croácia (onde até hoje é chamada de Tribidrag). Segundo relatos históricos, tal vinho foi comercializado pela primeira vez em Veneza no século 14. E a uva Primitivo tem vários subtipos: Salento, Mandúria, Puglia, Tarantino e outras. E a dica da semana trata de um tinto italiano Tarantino, o I Monili Primitivo Del Tarantino IGT 2018, da região de Puglia, elaborado com 90% Primitivo (Tribidrag) e 10% Montepulciano.


Possui cor rubi púrpura brilhante e carrega aromas de frutas pretas maduras com amora em destaque, baga de uvas macerada, também balsâmico, café, mineral, salgado e toque terroso. A boca é frutada, seca e levemente amarga, com taninos cômodos, acidez presente e integrada e amplo final.

Não passa em barrica de carvalho, amadurece em tanques de aço inox.

Faz par gastronômico com pratos com molhos picantes e também ragu de cordeiro, pizza de calabresa, azeitonas, queijos amarelos (tipo caciocavallo) e, claro, carne vermelha na brasa.

Tem 13% de graduação alcoólica, e o ideal é ser degustado na temperatura de 14 a 16 graus.

Você encontra o vinho Foral na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Avenida João Pessoa 895, em Santa Cruz do Sul. Telefone (51) 3711 3665, telentrega pelo WhatsApp (51) 98416 6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!

LEIA TAMBÉM: Legítimo 2 em 1: o vazio marinado com batatas

POR AÍ…

A CBCA – Companhia Brasileira de Cerveja Artesanal – fechou uma parceria com Matt Sorum, ex-baterista da banda Guns N’ Roses, e lançou a cerveja The Drummer, uma american larger que será fabricada pela companhia na Cervejaria Schornstein, em suas unidades de Pomerode-SC e Piracicaba-SP, e exportada para a Califórnia, nos Estados Unidos, onde o músico e novo acionista reside. “A chegada do Matt é o início de uma nova jornada na CBCA, a internacionalização, a conexão entre a cerveja artesanal brasileira, de qualidade, com o mercado americano. E isso acontece através do projeto *The Drummer Beer*. Nos próximos 90 dias, iniciaremos nosso primeiro MVP em uma rede de supermercados da Califórnia. The Drummer conecta boa música, rock and roll e boa cerveja. Como diz o Matt, “se você gosta de boa música, esta será a sua cerveja! A cerveja do Rock n Roll!!””, comenta Gustavo Barreira – CEO da CBCA.

O amor com vinho rejuvenesce.

Wesley D’Amico

LEIA TAMBÉM: Eu, Gourmet: aprenda a preparar o creme de feijão branco