Agricultura 16/10/2020 20h14

Início da colheita do trigo chega com otimismo na região

Clima favorável e preço acima da média no mercado têm aumentado as expectativas dos produtores

Uma das principais culturas de inverno na região do Vale do Rio Pardo, o trigo deve trazer resultados além do esperado para os produtores que apostaram no grão. O clima favorável ao longo de todo o desenvolvimento das lavouras e o preço acima da média no mercado têm aumentado as expectativas dos agricultores.

Segundo o extensionista rural da Emater/RS-Ascar de Soledade, Josemar Parise, a cotação está além do previsto e uma saca de 60 quilos pode ultrapassar os R$ 70,00, a depender da qualidade do produto e do local de comercialização.


Ao contrário do que ocorre na região noroeste do Rio Grande do Sul, onde a colheita já iniciou e os produtores tiveram prejuízos com a falta de chuva e as geadas de agosto, no Vale do Rio Pardo o quadro é de normalidade. “Em Encruzilhada do Sul, Pantano Grande e Rio Pardo, choveu muito bem nos períodos de final de setembro e início de outubro”, destaca Parise. Ele acrescenta que o clima seco dos últimos dias na região, que coincide com a fase final de maturação dos grãos e início da colheita, é o ideal. Por isso, os resultados devem ser bons.

LEIA TAMBÉM: Estiagem no Estado deve iniciar já em outubro e seguir no verão


Com a colaboração do clima e o manejo correto, a expectativa da Emater/RS-Ascar é de que a produtividade atinja uma média de 45 sacas por hectare, que pode ser até maior dependendo da tecnologia empregada. O chamado baixo Vale do Rio Pardo, que inclui os municípios de Encruzilhada do Sul, Pantano Grande, Rio Pardo e Candelária, tem uma estimativa de área plantada de 5 mil hectares. Parise explica que ainda é cedo para se falar em quantidades, mas trabalhando com a média de 45 sacas, o total da safra na região deve ficar em torno de 13,5 mil toneladas.

O prognóstico também é favorável para as culturas de verão, que devem ter o plantio iniciado assim que a colheita do trigo for concluído nas propriedades que trabalham com a rotação dessas culturas. Arroz, soja e milho estão com valorização recorde no mercado, e a tendência é que os preços continuem altos nos próximos meses.

LEIA TAMBÉM: Aumentos da demanda e do dólar fazem preço da soja disparar