QUE COINCIDÊNCIA! 08/11/2020 13h42

Conheça os três irmãos santa-cruzenses que fazem aniversário no mesmo dia

Rogério, Roberto e Volmir não são gêmeos, eles nasceram em 1º de novembro de 1971, 1972 e 1973, respectivamente

Durante o programa que comanda na Rádio Gazeta FM 107,9 no último domingo, 1º, o apresentador Giovani Weber recebeu um contato que chamou atenção. Segundo o relato do ouvinte, ele e os outros dois irmãos, que não são gêmeos, estavam de aniversário naquele mesmo dia, 1º de novembro. Nasceram em 1971, 1972 e 1973.

A reportagem da Gazeta do Sul foi então ao encontro de Rogério, Roberto e Volmir Fröhlich, na casa da mãe deles, no Bairro Margarida, em Santa Cruz do Sul, para contar essa história curiosa. Por menor que seja a chance de três irmãos nascerem exatamente no mesmo dia em três anos diferentes e consecutivos, a mãe, Erna Terezinha Fröhlich, de 79 anos, garante que nada foi programado.

LEIA TAMBÉM: Uma história de amor que venceu o preconceito

“Foram todos de cesariana, mas naquela época não podia escolher o dia, precisava esperar a hora chegar. O último eu nem esperava que fosse para aquele dia”, revela. Volmir, o caçula dos três, conta que a família sempre viveu no Bairro Margarida e, pela peculiaridade, era conhecida na vizinhança. “Todo mundo sabia. Quando chegava o dia, todos sabiam que nós três estávamos fazendo aniversário e tirando fotos.”

Há ainda um quarto irmão, Ronei, que apesar de não ter nascido na mesma data dos outros três, também tem pouco mais de um ano de diferença. Sendo o único dos quatro que não tem a letra inicial R, o nome de Volmir foi inspirado no ponta-esquerda Volmir Massaroca, que fez muito sucesso jogando pelo Grêmio nos anos 1960 e 1970.

LEIA MAIS: Morte de austríaco ainda é mistério em Sinimbu

“O nome era para ser Ronaldo, mas quando o pai chegou lá para registrar, não lembrava mais e colocou o nome do jogador”, conta dona Erna. Em relação aos presentes, eles recordam que normalmente eram os mesmos para todos. “Era uma coisa igual para cada um. Se era uma camiseta, eram parecidas para ninguém brigar”, diz Rogério.

Carteiras de habilitação não deixam dúvidas sobre as datas de nascimento dos três irmãos, muito conhecidos no Bairro Margarida

LEIA TAMBÉM
Furtos em cemitérios de Santa Cruz levam embora a história do município
Pesquisadores resgatam legado dos antepassados imigrantes em Santa Cruz