Schoenstatt 18/11/2020 09h43 Atualizado às 17h53

Com duas irmãs, manutenção do santuário passou a ser considerada inviável

Além da insegurança, custos e dificuldade de deslocamento, presença de poucas religiosas contribuiu para transferência

A transferência do Santuário de Schoenstatt da BR-471 para uma casa na Rua Thomaz Flores, no Centro, foi um assunto muito debatido nas últimas semanas. Informações desencontradas acabaram surgindo e dúvidas começaram a pairar na comunidade.

A irmã Rosequiel Lopes Fávero, da assessoria de Comunicação do Movimento Apostólico de Schoenstatt, esteve nessa terça-feira, 17, na Gazeta Grupo de Comunicações para esclarecer alguns pontos sobre a questão. Ela concedeu entrevista ao programa Rede Social, da Rádio Gazeta.


Segundo ela, apenas duas irmãs são responsáveis pela manutenção do santuário, uma delas em idade avançada. Com isso, a missão de administrar o local tornou-se desgastante. Além disso, outros problemas perturbavam a rotina, como o acionamento do alarme todas as noites e a dificuldade de deslocamentos para retiros e encontros, já que uma das irmãs ficaria sozinha no local. O custo alto de manutenção da extensa área era mais um empecilho.

LEIA MAIS: Santuário de Schoenstatt vai mudar de endereço após mais de quatro décadas

De acordo com Rosequiel, a localização distante do santuário e a insegurança são fatores debatidos no movimento há três anos. A mudança foi efetivada um mês atrás, quando o altar, os ornamentos e a estátua do padre José Kentenich, fundador do movimento, foram levados para a casa onde residiram há mais de 70 anos, época em que Santa Cruz contava com até dez irmãs. O convite foi feito pelo bispo dom Aloísio Dilli, ciente das dificuldades enfrentadas por elas. No novo endereço, as irmãs também podem contribuir para o trabalho pastoral da Catedral São João Batista.


Rosequiel salientou que o compromisso das irmãs é manter o santuário como local de oração e formação. Porém, segundo ela, esses objetivos estão sendo inviabilizados. “Estávamos com dificuldades de manter os grupos de casais, da juventude. Não teríamos como desenvolver atividades noturnas. Muitas lideranças do movimento participaram da decisão. Famílias foram visitadas e explicamos a situação”, comentou.

A convite do bispo dom Aloísio Dilli, religiosas agora estão em casa na Thomaz Flores | Foto: Lula Helfer


Exemplos de outros lugares

As irmãs ficaram impressionadas com a repercussão da transferência para o Centro. Artigos e cartas foram publicados na Gazeta do Sul e manifestações tomaram conta das redes sociais. Muitas pessoas colaboraram na construção do santuário de forma voluntária, o que fornece uma sensação de pertencimento às famílias envolvidas com o movimento.

Segundo a irmã Rosequiel, é importante valorizar todos aqueles que, de alguma forma, se mobilizaram para a consolidação do Santuário de Schoenstatt. “O Monte Tabor, como é chamado aquele local, não passava de mato, pedra e cobra. Aos poucos, foi transformado em um paraíso. Não fizemos nada sozinhas. Quem colaborou conosco tem carinho pelo local. A irmã Vitória, uma das mais antigas, era muito conhecida e criou um vínculo grande com a comunidade”, frisou.

LEIA MAIS: Grupo está mobilizado para manter o Santuário de Schoenstatt

Rosequiel citou outros santuários espalhados pelo Brasil com características distintas. O País conta com 23, e o de Santa Cruz foi o quinto. Em alguns casos, como no Norte do Paraná, os santuários contam com apenas uma irmã, mas apoiada por um grupo de leigos responsáveis pela administração. Em Porto Alegre, por exemplo, o lugar sagrado fica em uma casa no Bairro Assunção, com jardim na frente. Para finalizar, ela exaltou a manifestação da comunidade. “É de muito valor que as pessoas digam o que pensam. Se estão de acordo ou não. O mais importante é que venham falar com a gente, para que possamos dialogar sobre o santuário”, comentou.

Irmã Rosequiel: repercussão inesperada

Objetivo é a construção de nova capela em área central
A irmã Rosequiel Fávero enfatizou que o santuário apenas foi transferido. Não foi extinto. Os devotos da Mãe Três Vezes Admirável podem ir até o número 759 da Rua Thomaz Flores para fazer orações. Inclusive, está em andamento a novena que antecede a 44ª edição da romaria. Já no próximo domingo, haverá missa no Santuário de Schoenstatt, na BR-471, às 9 horas com transmissão pelo Facebook (facebook.com/santuarioschoenstattscs). Em razão da pandemia, quatro andores vão partir do santuário para uma carreata, ao invés da caminhada tradicional dos anos anteriores.

Para o futuro, o movimento pretende usar o material do atual santuário – tijolos, telhas – para servir de base na construção da nova capela, em uma área no Centro ou em bairro próximo. Segundo informações da Prefeitura, o imóvel na BR-471 foi doado pelo Município ao Instituto Pedagógico Social Tabor em 1975, para edificação de um Centro de Formação e Educação para o Povo. Pela legislação da época, o terreno passou a ser de posse definitiva das irmãs por ter sido utilizado com a finalidade a que foi destinado.

Rosequiel salientou que o movimento não deseja lucro com uma possível venda. “Queremos que algo seja feito com aquela estrutura em prol da população. Pode se transformar em uma escola, um centro social ou um lar de idosos. Pode haver uma permuta por outra área, onde poderemos instalar o santuário e que possa cumprir o seu papel.”

Para preservar a santidade do local atual, de modo que os fiéis possam pedir as bênçãos da Mãe Três Vezes Admirável, Rosequiel propõe a construção de um memorial para relembrar a trajetória de 45 anos do santuário. “O local poderia continuar aberto à visitação. As romarias poderiam seguir como são”, propõe. Um encontro entre as irmãs e a Prefeitura deve ocorrer em breve, ainda sem data agendada.

Impacto no turismo
A Associação Pró-Turismo de Santa Cruz do Sul e o Conselho Municipal de Turismo acompanham a questão de perto. Pedidos de análise sobre as questões legais foram enviados ao Ministério Público e à Procuradoria Geral do Município. Por enquanto, as entidades estão em compasso de espera. Uma das reivindicações é o fato de o santuário ser um ponto de visitação nos roteiros turísticos. Defendem que o lugar deve permanecer aberto aos turistas como ponto de oração. Uma das proposições, inclusive, é a transformação da estrutura em pousada e centro de informações turísticas.

LEIA TAMBÉM: ‘Parem de instrumentalizar as religiões para incitar ao ódio’, pede Papa Francisco