PRODUÇÃO AMEAÇADA 11/01/2021 12h57 Atualizado às 14h33

VÍDEO: Rio Pardo seca em Candelária e falta de chuva preocupa agricultores

Município fará levantamento para contabilizar perdas nas lavouras; no interior, abastecimento ocorre com caminhão-pipa

A estiagem que atinge a região desde novembro começa a provocar escassez de água em vários municípios. Na localidade de Rebentona, no interior de Candelária, o leito do Rio Pardo secou, exibindo pedras e vegetação rasteira. A Prefeitura espera contabilizar as perdas durante esta semana.

O diretor do Departamento de Meio Ambiente de Candelária, Valter Fernando Schmidt Auler, explicou que, no decorrer dos últimos 20 dias, o acumulado de chuva não ultrapassou a marca dos quatro milímetros. “Essa quantidade não serve nem para abastecer as plantações. Em alguns pontos do interior, não tem mais rio correndo”, frisou.

LEIA TAMBÉM: Santa Cruz deve decretar estado de emergência por causa da estiagem


Segundo Auler, a cena se repete há pelo menos dois anos na localidade de Rebentona. O Rio Pardo seca por completo e exibe um leito de pedras e vegetação rasteira que cresce sem a água corrente. “É uma situação que preocupa, pois estamos com problemas nas lavouras de arroz, milho e soja. Durante esta semana, iremos nos reunir com órgãos e entidades ligadas à produção rural para tentar contabilizar as perdas até aqui”, afirmou.

O diretor explica que, embora o leito tenha secado em Rebentona, no ponto de captação de água os reservatórios ainda têm fôlego para manter o abastecimento em Candelária. “A gente não sabe até quando, por isso, é muito importante que o uso da água seja feito de forma consciente”, recomendou.

No município, o caminhão-pipa da Prefeitura se junta ao caminhão do Corpo de Bombeiros Voluntários para a entrega de água às comunidades do interior. “Na última semana entregamos 17 cargas, de 5 mil litros cada”, acrescentou Auler.

LEIA TAMBÉM: Estiagem transforma o Rio Pardo em um riacho

Estudo para decreto de emergência

O prefeito de Candelária, Nelstor Ellwanger (PSB), ressalta que a estiagem prejudicou de forma mais acentuada o município nas últimas três semanas. No entanto, a decisão de pedir o decreto de situação de emergência à Defesa Civil do Estado depende de prejuízos materiais. “Ainda precisamos fazer um levantamento para saber se as perdas são tão significativas quanto a falta de água no leito do rio”, comentou o prefeito.

A falta de água mais drástica no início do ano pode ter, segundo ele, relação com a estiagem passada. O baixo volume de chuva entre o fim de 2019 e o primeiro quadrimestre de 2020 esgotou os recursos hídricos na região, fazendo com que, segundo Ellwanger, rios e arroios secassem de forma mais rápida agora.

Segundo o diretor do Departamento de Meio Ambiente de Candelária, Valter Fernando Auler, é necessário que se contabilizem pelo menos R$ 2 milhões em prejuízos para solicitar o decreto ao Estado.

LEIA TAMBÉM: Pior momento da estiagem já passou, avalia meteorologista do Inmet