MOBILIDADE URBANA 22/02/2021 10h00

Prefeitura retoma obra no Loteamento Motocross

Na obra, que teve inicio em junho do ano passado, já foram feitas a conclusão da base de nove ruas e a infraestrutura com o deslocamento das redes hídricas

As obras de pavimentação no Loteamento Motocross, no Bairro Arroio Grande, que estavam paradas, foram retomadas na manhã desta segunda-feira, 22, após ordem da prefeita Helena Hermany. De acordo com o vice-prefeito e secretário de Planejamento, Elstor Desbessell (PL), dentre as diversas obras previstas pelo governo, as prioridades são a do Loteamento Motocross, o calçadão da Marechal Floriano e o asfaltamento da Travessa Leopoldina, que fará uma ligação da Linha João Alves à RSC-287. Segundo ele, é necessário rever algumas questões burocráticas.

“Há etapas que já foram concluídas e isso não pode mais constar na licitação. Estamos agora fazendo um novo projeto, assim como ocorreu com o calçadão da Marechal Floriano, e nele vamos incluir a contribuição de melhoria, que é um tributo exigido pelo Tribunal de Contas quando houver a realização de uma obra pública e uma valorização imobiliária decorrente desta obra. Isso não acompanhava o processo anterior, por isso a licitação foi cancelada”, esclarece. “Com essa lei, todas as ruas que receberão pavimentação passarão por um reestudo na Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão. Após, o documento é encaminhado à Câmara de Vereadores para votação” ressalta.

LEIA MAIS: Começa asfaltamento na Rua Antônio Kipper, no Loteamento Motocross

Ao todo, serão 11 ruas pavimentadas nos loteamentos Motocross e Monte Tabor: Frederico Rech, Travessa Torres, Antônio Kipper, Piauí, Arthur Kaercher, Walder Rude Kipper, Santana, Itaí, Bauru, Guido Sefrim e Pedro Thier Filho. Na obra, que teve inicio em junho do ano passado, já foram feitas a conclusão da base de nove ruas e a infraestrutura com o deslocamento das redes hídricas, a última executada pela Corsan. Resta ainda a conclusão da base e depois a camada asfáltica. Sobre os valores destinados à pavimentação, Desbessell esclareceu que os recursos fazem parte do programa de Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa), da Caixa Econômica Federal, e que a obra será executada em regime de parceria entre a Prefeitura e os moradores.

“Os recursos existem. Só que a obra vai acompanhar o edital de contribuição de melhorias. A Prefeitura irá adquirir os materiais e executar a pavimentação e os moradores entrarão com uma quantia em valor. No lançamento do edital, haverá uma notificação que vai especificar o valor que os moradores de determinada rua terão que contribuir”, finaliza.

LEIA TAMBÉM: Pavimentação no Motocross volta a gerar polêmica na Câmara

ESPERA QUE JÁ DURA QUATRO ANOS
Morador da Rua Pedro Thier Filho, o encarregado de depósito Renato Luís Breuning aguarda há quatro anos pela pavimentação. “Quando a gente ainda procurava um imóvel para comprar, foi usado o artifício de que o calçamento estava garantido. Mas até agora nada, inclusive a obra foi promessa de campanha de governos anteriores”, comenta.

Com filhos pequenos de 3 e 11 anos, ele reclama da poeira levantada com a circulação dos veículos. “Não tem nem como abrir as janelas de casa, até pelas frestas da veneziana entram pó. É só o trabalho da minha esposa limpar e, em pouco mais de três horas, está grosso de novo. Nem as crianças conseguem brincar na rua, não tem como. A gente desanima, porque o que era para ser um lugar bom para morar, está desse jeito”, afirma.

Flávia Breunig e os filhos Ana Júlia e Luiz Felipe não escondem a frustração pela demora na obra, o que causa inúmeros transtornos | Foto: Alencar da Rosa

LEIA TAMBÉM: Moradores do Loteamento Motocross pedem definição sobre pavimentação de ruas