Pandemia 07/04/2021 14h04

Escassez de doses impede a ampliação da vacinação

Estado não tem perspectiva de chegada de novos lotes nesta semana. Em Santa Cruz, segue apenas a aplicação de segundas doses

Ainda que a vacinação contra a Covid-19 tenha sido mais veloz em março, com a aplicação de quase o dobro de doses em relação a fevereiro, o Rio Grande do Sul vem enfrentando dificuldades para manter a regularidade das imunizações. Na maior parte dos municípios o recebimento de um lote é suficiente para apenas alguns dias, sendo necessário interromper as aplicações da primeira dose até que uma nova entrega ocorra. As sucessivas mudanças nos cronogramas e os atrasos no fornecimento dos antígenos por parte dos laboratórios ajudam a explicar essa situação.

Na última sexta-feira Santa Cruz do Sul recebeu a maior remessa de vacinas desde o início da distribuição, com mais de 7 mil doses. Essa quantia possibilitou a ampliação da faixa etária para pessoas com 64 anos ou mais e também profissionais de segurança pública, conforme a determinação do governo do Estado. Entretanto, a procura foi tão grande que a vacinação ocorreu somente ao longo do sábado e na manhã de segunda-feira, momento em que as doses disponíveis para os idosos encerraram. A imunização ainda seguiu para agentes de segurança, mas nesta quarta-feira, 7, estão disponíveis apenas segundas doses.

LEIA MAIS: Número de internados com Covid-19 em Santa Cruz volta a crescer

Desde que a distribuição das vacinas aos municípios gaúchos começou, em 19 de janeiro, o ritmo de aplicação vem aumentando, mas ainda é pequeno. Em janeiro foram aplicadas 13 mil doses ao dia em média no Estado, número que passou para 14 mil em fevereiro e saltou para 31 mil em março.

Recentemente o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, prometeu distribuir 30 milhões de doses ao longo do mês de abril. Mantendo-se o rateio atual de aproximadamente 6% para o Rio Grande do Sul, o Estado pode receber 1,8 milhão, quantia suficiente para imunizar com a primeira dose todas as pessoas de 60 anos ou mais.

Apesar da promessa do ministro Queiroga, o Piratini confirmou que não há previsão de recebimento de novas remessas nessa semana, de forma que a vacinação com a primeira dose deve ficar interrompida para a maioria das pessoas que integram os grupos prioritários até, pelo menos, a próxima segunda-feira. A aplicação das segundas doses prossegue normalmente às pessoas que já atingiram o período determinado.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS