Conversa Sentada 05/10/2017 09h07

A sucessão familiar

A pecuária requer uma mão de obra cada vez mais difícil de se encontrar. A lida de campo é sacrificada

Na coluna passada, relatava as dificuldades de gestão de uma empresa rural. Realmente, em plena época de “just in time” e automação, a pecuária lida com muitas variáveis. Cada gleba de campo tem sua vocação, há zonas de frequentes secas, o pecuarista tem muito estoque  (algo que  pode soar estranho a urbanos) e estoque VIVO. Vale dizer, se você têm 2 mil vacas com cria ao pé, nada impede que  perca  várias por causa de raios, ou ingestão de uma erva venenosa, abigeato, essas coisas. E o problema das secas? Muitos acham que somos chorões. “Mas por que vocês não implantam a irrigação?” Pela prosaica razão de que nem todos os campos se prestam à sua instalação. Mais: nossa moeda é o quilo do boi gordo ou, como falam no restante do País, a arroba. E a margem de lucro não é grande. O atravessador, esse sim lucra bem. Hoje nos pagam um pouco menos de 5 reais por quilo de  boi gordo . E quanto custa um quilo de picanha no açougue?

Ademais, a pecuária requer uma mão de obra cada vez mais difícil de se encontrar. A lida de campo é bruta e sacrificada, e as pessoas preferem ganhar menos e morar nas cidades. 

Mas falo a vocês uma verdade: só o dono vê um fio de cerca partido ou uma trama quebrada, só o dono se incomoda vendo um trator funcionando enquanto o funcionário toma seu café ou fica de papo, só o dono vê o desperdício de insumos, remédios, combustíveis, etc. Só o dono vê a luz acesa no galpão em pleno meio-dia, só o dono vê o terneiro que há mais tempo devia estar desmamado.

Hoje vejo solarmente que não dá para o dono de uma propriedade média morar muito longe dela. Não dá mais para criar sem inseminação artificial e transferência de embriões. Não vou dizer que seja impossível, mas é quase inviável a pecuária, sem consorciar com agricultura.

E aí vem o problema da sucessão familiar. Chega um tempo em que você tem que passar o bastão. E para quem? E se nenhum filho se presta a tal por ter outros e até melhores interesses? A saída é a Parceria Rural, ao menos num primeiro momento. Você convida um parceiro com liquidez e “expertise”, faz um contrato minucioso e sua propriedade vai poder aportar modernas técnicas, aumentando sobremaneira a produtividade.

Se não quiser isso, melhor é arrendar, com todas as cautelas e garantias. Seja firme na proteção ambiental e estabeleça um sistema compartilhado de controles.

E cantarole a canção ‘Veterano”:

Está findando meu tempo
A tarde encerra mais cedo
Meu mundo ficou pequeno
E eu sou menor do que penso
O bagual tá mais ligeiro
O braço fraqueja às vezes
Demoro mais do que quero
Mas alço a perna sem medo

(A partir de agora passarei a outros assuntos.)