Livro 11/02/2019 15h56 Atualizado às 16h33

Filme que concorre ao Oscar ressalta obra de James Baldwin

Se a rua Beale falasse foi o quinto romance publicado pelo autor em 1974

O Brasil vive uma redescoberta da obra do escritor norte-americano James Baldwin. Nascido em Nova York em 1924 e falecido no sul da França em 1987, aos 63 anos, é um dos principais nomes da geração de meados do século 20 na literatura dos Estados Unidos, a que teve em William Faulkner referência incondicional. E a essa literatura Baldwin agregou temática muito enfática, muito pessoal, a dos negros que, tendo crescido e vivido no Harlem, seguiam sofrendo a discriminação, sem as mesmas oportunidades dos brancos.

A Companhia das Letras tem recolocado os principais títulos do autor nas livrarias, muitos dos quais haviam sido editados pela última vez nos anos de 1980. Naquela época, quando Baldwin ainda era vivo e já fazia enorme sucesso no mundo todo, a Nova Fronteira publicara Marcas da vida, e a Abril lançara Giovanni na popular coleção “Grandes Sucessos”.

Já a Globo e o Círculo do Livro lançaram Numa terra estranha. Ao reeditar Balwin, a Companhia das Letras colocou as duas obras nas livrarias em 2018 como O quarto de Giovanni e Terra estranha, mais em sintonia com o original, e com aprimoradas traduções de Paulo Henriques Britto para o primeiro e Rogério W. Galindo para o segundo. A editora Novo Século, de Barueri (SP), havia colocado uma edição de Giovanni nas livrarias em 2008.

Agora, no início de 2019, chega uma terceira obra de Baldwin. Se a rua Beale falasse foi o quinto romance publicado pelo autor, em 1974. A edição vem na esteira da estreia do filme dirigido por Barry Jenkins, vencedor do Oscar com Moonlight: sob a luz do luar, que constitui a transposição do livro para as telas. A estreia nos cinemas nacionais será agora, em fevereiro, de maneira que a procura pelo livro deve se acentuar. 

No enredo, um casal negro, Fanny e Tish, de Nova York, acabam afastados nos anos 60 quando ele é preso, acusado injustamente de ter cometido estupro. Tish descobre que está grávida e mobiliza a família a fim de provar a inocência do amado. Como pano de fundo tem-se o ambiente de racismo, discriminação e desconfiança que era comum no período.

A prosa de Baldwin tem a marca da ironia, do humor, das tiradas espirituosas e da capacidade de tocar em pontos nevrálgicos da condição humana ou da mesquinharia social, sem afetação, rancor ou panfletarismo. É como se, como mais uma confirmação de sua grandeza intelectual, ele estivesse... um ponto acima na compreensão do quadro das coisas. E o autor era figura lendária e folclórica, alvo constante de polêmicas por ser homossexual e ainda contumaz consumidor de bebida alcoolica.

A Companhia das Letras também anuncia a publicação, neste ano, de outra obra de Baldwin, Notes of a native son, ainda sem título para a edição em português. O original deste livro é de 1955, um ano antes de O quarto de Giovanni, seu primeiro grande sucesso. Alguns outros títulos de Baldwin haviam sido lançados no País de forma esporádica, todos esgotados. Por essa razão, o esforço da Companhia das Letras de reposicionar a obra desse magistral escritor nas estantes é elogiável. A série tem identificação em design exclusivo de capa, e o volume de Se a rua Beale falasse conta com capa promocional alusiva ao filme.