Entrevista 23/08/2019 18h00

'Na minha família, não existe bandido. Somos de bem', declara Ana Hickmann

Cunhado da apresentadora matou um homem em 2016 e foi absolvido no ano passado. Uma nova audiência sobre o caso está marcada para setembro

Em entrevista ao programa TV Fama, da Rede TV!, na quinta-feira, 22, Ana Hickmann declarou que acredita na Justiça. A santa-cruzense, apresentadora da Record TV falou sobre o caso envolvendo o cunhado dela, Gustavo Correa. Em 2016, ele matou um homem que invadiu um hotel em que estava com a esposa, Giovanna Oliveira, e Ana Hickmann. O rapaz, Rodrigo Augusto de Pádua, que se dizia fã da apresentadora, os fez como reféns na ocasião.

LEIA MAIS: Cunhado de Ana Hickmann será julgado novamente por homicídio

"A gente acredita na justiça, continua acreditando que nós somos inocentes, que meu cunhado é inocente. Essa história de excesso até hoje é muito difícil de entender. Entender o porquê esse promotor insiste em fazer isso com a gente", desabafou. 

Em abril do ano passado, o cunhado dela foi absolvido pela juíza Malin Azis Sant'Ana, do Tribunal do Júri de Belo Horizonte, em Minas Gerais. A magistrada entendeu que Gustavo agiu em legítima defesa, mas o Ministério Público mineiro defende que ele promoveu homicídio doloso por ter disparado três tiros na nuca do rapaz. Uma nova audiência sobre o caso está marcada para setembro.

"Na minha família não existe bandido. Não tem ninguém de má índole. Somos uma família de bem, de trabalhadores", afirmou Ana Hickmann. A apresentadora enfatizou que ela e familiares estão tristes e com um sentimento de indignação. "É muito difícil acreditar que alguém tenha coragem de olhar para pessoas que foram vítimas e dizer que a gente que é bandido. Os papéis se invertem. Isso não está certo, me entristece demais", disse. 

Ana Hickmann também acrescentou que o episódio deixou marcas: "É muito difícil passar por tudo isso. A pessoa que você tanto ama da sua família quase morrendo no hospital por um tiro que levou por você e outra pessoa sendo acusada por ter defendido todo mundo. Espero muito que, depois do dia 10 de setembro, tudo se acabe de uma vez por todas", concluiu

LEIA MAIS: “Tenho muito orgulho de ser santa-cruzense”, conta Ana Hickmann