Cultira 10/09/2019 20h22 Atualizado às 15h41

A temática do olhar: Silvia Brum expõe obras na Casa das Artes

Uma combinação de técnicas unidas ao dom e ao talento faz da exposição Luz & Sombra, da pintora e arquiteta Silvia Brum

Uma combinação de técnicas unidas ao dom e ao talento faz da exposição Luz & Sombra, da pintora e arquiteta Silvia Brum, em cartaz na Casa das Artes Regina Simonis (Marechal Floriano, 651), uma visita obrigatória. No total são 21 obras, três delas em óleo sobre MDF, outras dez em óleo sobre tela e uma em acrílico sobre tela. Quer mais? Pois também tem sete reproduções fine art em papel Hahnemühle 308, impressas em pigmento mineral. Desse montante, nove estão disponíveis para venda. E todas para a sua apreciação, até o próximo dia 27.

Silvia afirma que Luz & Sombra não trata de uma série de um período específico, mas sim de vários momentos de inspiração, muito especialmente do que ela considera “uma retomada” de seu trabalho artístico, ocorrida desde 2016. “A dedicação à família me manteve afastada por um tempo”, explica ela. “Porém, há cerca de três anos retornei à produção artística. Inicialmente, com os retratos por encomenda, mas desenvolvendo obras autorais, nas quais priorizo a técnica a óleo, aliada ao uso de outros materiais.” Esses outros materiais abrangem colagens de textos, crayon e ferrugem. Tudo sobre tela ou MDF.

Ela conta que desde pequena é apaixonada pela figura humana e suas representações, sobretudo o rosto e os olhos. “O olhar carrega em si tamanha complexidade e carga emocional, que qualquer pequeno detalhe irá transformá-lo por completo. Quando pinto um olhar, quero transmitir toda a história que existe por trás dele.”

Em 2005, ela morou em Paris, na França, onde estudou fotografia, o que contribuiu para aprimorar seu processo criativo como pintora. “Através do zoom da lente de minha câmera, passei a ver detalhes que antes me escapavam na fisionomia e olhares dos meus retratados. Pequenas veias, gotículas de lágrima e mínimos reflexos: um macrouniverso inteiro a desvendar. Percebi então que a escala do meu trabalho deveria mudar e comportar todos esses maravilhosos detalhes”, ressalta.

Atualmente trabalha como artista plástica em tempo integral, dividindo um estúdio com seu marido (que é escultor) e desenvolvendo o que ela chama de “a temática do olhar”. Sua intenção, no entanto, não é atingir a exatidão fotográfica do hiper-realismo, “e sim expressar através da pintura uma visão particular sobre a profundidade humana”.

Foto: Lula Helfer
Foto: Divulgação