Literatura 19/09/2019 21h26 Atualizado às 10h40

José Saramago é tema de exposição em Porto Alegre

Vida do escritor, prêmio Nobel de Literatura de 1998, está em destaque no Espaço Farol Santander

A gente na verdade habita a memória.” A frase, pronunciada de forma recorrente em entrevistas ao longo de sua trajetória, constitui uma espécie de mantra ou de síntese da relação do escritor português José Saramago (1922-2010) com suas lembranças pessoais e com tudo que o passado poderia oferecer como matéria de criação. E é a memória, nesse caso a memória relacionada com o próprio autor, que está contemplada em uma exposição panorâmica de sua vida e de sua obra, no Farol Santander, em Porto Alegre.

Inaugurada no início de julho, ela pode ser visitada somente até este domingo, dia 22. Assim, o público da região que estiver programando visita à capital neste feriadão terá condições de prever na agenda de atividades um passeio ao local da mostra, junto à Praça da Alfândega, com amplo e fácil acesso de qualquer ambiente do Centro Histórico. A fim de recordar ou de conhecer e compreender circunstâncias de formação e de amadurecimento na condição de escritor, conferir as atrações da exposição é providencial e inspirador.

Para os que são familiarizados com os principais romances do autor, muitas das informações que o próprio Saramago compartilha em áudios e vídeos de entrevistas podem já ser de referência. Ele foi um mestre em trabalhar com o material que a sua própria história de vida lhe oferecera, em especial a associada à sua origem humilde, em uma família de Golegã, pequena aldeia de Azinhaga, em Portugal.

Já é de domínio dos fãs do escritor igualmente a particularidade de que ele só se dedicou efetivamente à literatura de forma tardia: com mais de 50 anos, ao perder o emprego de jornalista, então na condição de diretor-adjunto do Diário de Lisboa, em 1975, por pressão dos militares. Demitido, tomou a decisão de experimentar a carreira literária, e lançou o romance Levantado do chão, em 1980. Foi um acontecimento.
Nos anos seguintes, com frequência regular e intensa, Saramago foi publicando novo livro de ficção a cada dois ou três anos, elencando sucessos como Memorial do convento. O ano da morte de Ricardo Reis, A jangada de pedra (uma obra-prima), História do cerco de Lisboa, O evengelho segundo Jesus Cristo (romance cercado de muita polêmica, o que só contribuiu para projetar de vez seu nome no mundo), Ensaio sobre a cegueira, Todos os nomes e A caverna, dentre tantos outros.

Assim, chegou aos anos 2000 com uma obra consolidada, e na condição de um dos escritores de língua portuguesa mais lidos no cenário global, traduzido para as mais diversas línguas. No século 21, deu continuidade a sua carreira, com belos livros, como O homem duplicado e Ensaio sobre a lucidez, para fechar com chave-de-ouro sua bibliografia, quando já havia enfrentado uma grave enfermidade, em 2008, com o belíssimo A viagem do elefante.

Pôde curtir os elogios por essa sua obra derradeira, na qual teve o apoio constante da esposa Pilar del Rio para digitação e encaminhamentos de edição. O autor veio a falecer em 18 de junho de 2010, em sua casa na Ilha de Lanzarote, na Província de Las Palmas, nas Canárias, costa espanhola, onde o casal havia se radicado. Saramago se despedia da vida, mas isso jamais poderia ocorrer na memória de todos os seus leitores e fãs. É o que uma exposição como a que está em cartaz em Porto Alegre só faz reforçar.

O ganhador do Nobel, na Ufrgs
Em 26 de abril de 1999, meses após ter sido agraciado com o Nobel de Literatura, primeiro e até hoje único autor em língua portuguesa a receber essa honraria máxima para um escritor, José Saramago desembarcava em Porto Alegre, ao lado da esposa Pilar, para receber o título de doutor honoris causa na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). Como profissionais da Gazeta do Sul, eu e o fotógrafo Lula Helfer realizamos a cobertura da cerimônia, que ocorreu em um Salão de Atos completamente lotado. Antes concedera entrevista coletiva, da qual também participamos, e depois brindou o público com uma palestra inesquecível. A entrevista, publicada no suplemento Magazine, permitiu compartilhar reflexões e impressões de Saramago à iminência da chegada ao século 21 (R.B.).

Serviço

O quê: exposição Saramago: os pontos e a vista, com curadoria de Marcello Dantas, sobre a vida e a obra do escritor português José Saramago, prêmio Nobel de Literatura de 1998
Onde: no Espaço Farol Santander, na Rua Sete de Setembro, 1028, no Centro Histórico de Porto Alegre, junto à Praça da Alfândega
Quando: em cartaz, ficando no local até este domingo, 22 de setembro, para visitação hoje, feriado, das 11 às 18 horas; amanhã, das 10 às 19 horas; e no domingo, das 11 às 18 horas
Quanto: ingressos a R$ 15,00 no local
e no site www.farolsantander.com.br
Promoção: Farol Santander e Fundação José Saramago
Preste atenção: na riqueza de áudios e de vídeos de entrevistas e depoimentos concedidos por Saramago em diferentes momentos de sua carreira e para diversos veículos, nos quais detalha aspectos marcantes de sua história de vida
e da gênese de seus romances
Para outras informações: consultas podem ser feitas ao site www.farolsantander.com.br