Cultura 16/03/2020 20h46

Poetisa Wislawa terá novo livro lançado pela Companhia de Letras

Para meu coração num domingo reúne 85 poemas, contendo lirismo, o inusitado do cotidiano, o humor e a fina ironia

A poetisa, crítica literária e tradutora polonesa Wislawa Szymborska, falecida em fevereiro de 2012 aos 88 anos, poderia constituir um estudo de caso de síntese e de concisão na escrita. E mais ainda num mundo extremamente prolixo e prolífico, que escreve e imprime à exaustão. Tudo porque Wislawa publicou em sua longa vida basicamente cinco livros de poesia, entre 1957, ano de sua estreia, já com mais de 30 anos, e 2006, quando foi lançado o volume Instante. Foi o que bastou, no entanto, por sua profundidade e pelo diferenciado estilo, para que ganhasse nada menos do que o Nobel de Literatura, e isso em 1996, quando ainda nem havia lançado este último, nem o imediatamente anterior, Paisagem com grão de areia, de 1998.

Por isso, a leitura da obra de Wislawa soa tão importante e tão oportuna, como inspiração e como norte para todo e qualquer escritor, poeta ou não. E ainda mais por essa razão o lançamento de um novo livro da polonesa, agora anunciado pela Companhia das Letras, merece ser comemorado. Para o meu coração no domingo, o título da antologia, promete inclusive ser a mais ampla e panorâmica diante dos dois volumes anteriores da poetisa que a editora havia disponibilizado ao leitor brasileiro: Poemas, de 2011, e Um amor feliz, de 2016. Em comum entre as três edições, o apuro da tradução assinada por Regina Przybycien, que nesta nova incursão teve a parceria de Gabriel Borowski.

Para meu coração num domingo reúne 85 poemas, nos quais o lirismo, o inusitado do cotidiano, o humor e a fina ironia seguem como as marcas inconfundíveis para quem alguma vez já apreciou seus textos. E, apesar da leveza e do tom coloquial que ela soube imprimir aos versos, quase numa conversa ao pé do ouvido com o leitor, evidencia a ampla bagagem de referências históricas e culturais. Formada em Filologia, explorou tanto a etimologia quanto a semântica das palavras, no que exige de seus tradutores uma enorme capacidade de busca das palavras e das expressões mais adequadas a fim de chegar até suas imagens e a suas mensagens.

LEIA TAMBÉM: ENTREVISTA: o que pensa um dos autores mais respeitados do Brasil

Além da poesia, Wislawa ainda foi colaboradora de jornais, de maneira que algumas poucas coletâneas de crônicas conformam sua obra completa. Ela é um exemplo de que não é com volume ou com quantidade que se impressiona para a posteridade, mas sim com extrema qualidade e capacidade de síntese. Diante dessa grandeza, mais impressiona o fato de sua obra ter chegado de maneira tão tardia ao Brasil, 15 anos após a atribuição do Nobel, e sendo que já estava traduzida e editada em mais de 40 línguas no mundo todo.

Menos mal que agora tradutores como Regina Przybycien e outros especializados em literatura do Leste Europeu estão recuperando o atraso, e contemplando os leitores brasileiros com uma das mais vigorosas obras poéticas em todos os tempos. Para ler num domingo, e em qualquer dia da semana.

Ficha

Para o meu coração num domingo, de Wislawa Szymborska. Tradução de Regina Przybycien e Gabriel Borowski. São Paulo: Companhia das Letras, 2020. 344 p. R$ 64,90.

Um poema

“Um amor feliz”

“Um amor feliz. Isso é normal,
isso é sério, isso é útil?
O que o mundo ganha com dois seres
que não veem o mundo?

Enaltecidos um para o outro sem nenhum mérito,
os primeiros quaisquer de milhões, mas convencidos
que assim devia ser – como prêmio de quê? De nada;
a luz cai de lugar nenhum –
por que justo nesses e não noutros?
Isso ofende a justiça? Sim.
Isso infringe os princípios cuidadosamente acumulados?
Derruba do cume a moral? Infringe e derruba, sim.

Observem estes felizardos:
se ao menos disfarçassem um pouco,
fingissem depressão, confortando assim os amigos!
Escutem como riem – é um insulto.
Em que língua falam – só entendi na aparência.
E esses seus rituais, cerimônias,
elaborados deveres recíprocos –
parece um complô contra a humanidade!

É difícil até imaginar onde se iria parar,
se seu exemplo fosse imitado.
Com que poderiam contar a religião, a poesia,
o que seria lembrado, o que, abandonado,
quem quereria ficar dentro do círculo?

Um amor feliz. Isso é necessário?
O tato e a razão nos mandam silenciar sobre ele
como sobre um escândalo das altas esferas da Vida.
Crianças perfeitas nascem sem sua ajuda.
Nunca conseguiria povoar a terra,
pois raramente acontece.

Os que não conhecem o amor feliz que afirmem
não existir em lugar nenhum um amor feliz.
Com essa crença lhes será mais fácil viver e morrer.”

(do livro Um amor feliz, de Wislawa Szymborska,
em tradução de Regina Przybycien)

LEIA TAMBÉM: Clube de leitura dá ênfase a obras escritas por mulheres