Atividades online 15/05/2020 20h36

Museus usam as redes sociais para manter a cultura viva

Instituições do mundo todo encontram diferentes formas de divulgar seus acervos e se aproximar do público

“Os museus têm sido lugares de muitos desafios, não só nesses últimos tempos”. A fala da coordenadora do setor educativo do Museu de Artes Visuais Ruth Schneider (MAVRS), professora Me. Luciane Campana Tomasini, reflete um cenário que é mundial. No contexto da pandemia de Covid-19, as dificuldades que instituições museológicas de diferentes partes do mundo já vinham sofrendo há tempos foram intensificadas, especialmente pela falta de algo fundamental para esses espaços: o público. A alternativa foi se adaptar e usar a internet e, especialmente, as redes sociais, para divulgar seus ricos e incalculáveis acervos e se aproximar das pessoas, gerando visibilidade e interesse para quando as portas voltarem a se abrir.

Para marcar o Dia Internacional dos Museus, celebrado nesta segunda-feira, 18, a professora, que também é coordenadora do curso de Artes Visuais Bacharelado da Universidade de Passo Fundo (UPF), fala sobre como os museus da cidade têm se adaptado a essa nova realidade e sobre o papel da arte nesse momento

LEIA TAMBÉM: Casa da Cultura de Sobradinho realiza mostra fotográfica

Museus do mundo todo foram obrigados a fechar as portas em função da pandemia. De que forma isso afeta essas instituições?
Luciane Campana – Os museus têm sido lugares de muitos desafios, não só nesses últimos tempos. A cultura em geral tem sido alvejada de muitas formas, e o advento da pandemia certamente é mais um desafio, que nos obrigou a nos reorganizar nos modos como disponibilizávamos a cultura ao público. Com a ausência de visitas nos espaços físicos do Museu de Artes Visuais Ruth Schneider, a alternativa encontrada tem sido trabalhar com as inúmeras possibilidades de inserção nas redes sociais. O que parece abrir um novo e importante campo de abrangência de visibilidade de museus, que geograficamente estão longe dos grandes centros urbanos. 

Muitos museus disponibilizaram seus acervos online. O que isso representa? Você acredita que esta é uma boa forma de mantê-los vivos?
As possibilidades de ampliar a divulgação de obras de acervos sempre são uma estratégia que anima os museus. Há tanta riqueza guardada dentro dos acervos de museus, que essa parece ser uma alternativa bastante animadora em trazer à luz artistas e obras de complexidade expositiva, de valor inestimável, ou de narrativas que pouco são exploradas por curadores e conservadores. Reapresentar uma obra é sempre um evento animador. Acredito que todos os museus têm vivido essa experiência de revisão de acervos, de obras e documentos, para a divulgação das suas narrativas. Estar vivo nesse momento é estar sendo visto, e as redes têm contribuído de forma significativa, nesse sentido.

LEIA TAMBÉM: Tecnologias sem toque são apostas para mundo pós-Covid-19

Como o MAVRS e o Museu Histórico Regional (MHR) estão se adaptando a essa nova realidade? Existem ações planejadas de forma online?
Muitas das ações estão sendo planejadas pela equipe do Museu de Artes Visuais Ruth Schneider via videoconferência, onde todos podem participar de forma simultânea, seguindo as habituais reuniões que eram feitas presencialmente às segundas-feiras. Estamos fazendo lives, trazendo convidados, artistas, estagiários, ex-estagiários, para falar sobre suas vivências, assim como gestores para discutir este momento singular, e também gerando pesquisa para criar conteúdo para publicações sobre obras do acervo, artistas e curiosidades do universo da arte. Nessa semana que antecede a Semana Nacional dos Museus, e também o aniversário de 23 anos do MAVRS, que também é comemorado no dia 18 de maio, a programação vai se intensificar. Serão desenvolvidas atividades educativas online, seguimos com as lives e outras programações que estão em construção.

Qual a importância da arte em um momento como este que estamos enfrentando?
Arte é conexão, está presente em nosso dia a dia mesmo sem nos darmos conta disso. Agora parece que essa realidade tem ficado evidente. Para além das obras de arte, as manifestações ligadas à criatividade, sensibilidade estética e sensorial são características comuns aos seres, o que nos diferencia uns dos outros é o interesse em se tornar um profissional da área, daquele que se interessa em produzir algo porque lhe é ato prazeroso.  A arte nos auxilia a pensar de formas diferentes, ela amplia o modo como enxergamos os objetos, as paisagens, as pessoas, as reações das pessoas, e nos desafia ao confrontar medos, limites, crenças, mas também pode nos acalmar ao sensibilizar nossos sentimentos de segurança, afinidade ou amor.

LEIA TAMBÉM: VÍDEO: membros da Academia de Letras de Santa Cruz leem poemas

De que forma as pessoas podem apoiar os museus nesse momento?
As pessoas podem apoiar os museus de muitas formas. A mais eficaz está sendo a participação nas atividades online. As visualizações e participações do público em lives e em publicações têm feito com que os museus consigam mapear suas áreas de abrangência, assim como detectar a presença constante de indivíduos que não acessavam o espaço de forma presencial, seja pelo caráter de distanciamento geográfico, como pelo desconhecimento do que poderiam encontrar em seus espaços expositivos e atividades culturais presenciais. Estamos entendendo esse movimento como uma forma de divulgação e aproximação de novos públicos, assim como de ampliação de oportunidade, espaço de trabalho e trocas para profissionais que não conheciam o MAVRS, e possam a vir sugerir exposições de arte no caso de artistas e curadores, e de construção de narrativas, no caso de críticos e historiadores. Vejo como uma oportunidade. Estamos costurando parcerias entre interinstituições de Arte no Rio Grande do Sul, que devem em breve ser divulgadas ao público e que certamente vão fortalecer nossos museus e a cultura local e regional.

Muzar apresenta exposição virtual

Quem também está utilizando o mundo virtual para levar conhecimento é o Museu Zoobotânico Augusto Ruschi do Instituto de Ciências Biológicas (Muzar/ICB) da UPF. A partir deste mês de maio, o museu apresenta a exposição “Toxinas da Natureza” de forma on-line, contribuindo com as escolas para atividades remotas e comemorando os 45 anos de sua existência.

A exposição “Toxinas da Natureza” tem como objetivo esclarecer sobre a toxicidade das plantas e o veneno dos animais, os sintomas quando ocorrem acidentes com as pessoas e animais domésticos, bem como as funções desses animais na natureza. A exposição enfoca conteúdos sobre animais e plantas que possuem toxinas, conhecidas como venenos, que podem, em acidentes, prejudicar as pessoas. A exposição instiga a busca de conhecimento sobre animais peçonhentos ou venenosos e plantas tóxicas.

A dinâmica da exposição acontecerá da seguinte forma: perguntas serão lançadas nas redes sociais facebook.com/muzaricbupf e instagram.com/muzaricbupf durante a semana e as repostas serão disponibilizas no site www.upf.br/muzar nas sextas-feiras.

LEIA TAMBÉM: HBO libera séries do catálogo para assistir online

Museus online

Assim como o MAVRS e o Muzar, diversos museus, nacionais e internacionais, têm disponibilizado seus acervos de forma online para o público. Conheça alguns deles e faça uma visita:
– Museu da Memória Republicana – http://www.eravirtual.org/
– Museu de Arte de São Paulo – https://masp.org.br/
– Inhotim – https://www.inhotim.org.br/mobile/
– Instituto Brasileiro de Museus – https://www.museus.gov.br/
– Metropolitan Museu de Arte de Nova York – https://www.metmuseum.org/art/collection
– Museu do Louvre – https://www.louvre.fr/en
– Museu Reina Sofia – https://www.museoreinasofia.es/en/collection/artwork/guernica
– Museu de Arte Latino-Americano de Buenos Aires – https://malba.org.ar/

18ª Semana Nacional de Museus

O Dia Internacional dos Museus, criado em 1977 pelo Conselho Internacional de Museus marca também a abertura da 18ª Semana de Museus, uma ação de promoção dos museus brasileiros coordenada pelo Ibram que une instituições museológicas, durante uma semana, em torno de atividades para todos os públicos. Neste ano, a Semana estende essa celebração, pois conta entre seus objetivos o de aumentar o potencial de visitação das instituições museológicas e culturais de todo país, difundindo as diversas manifestações e referências culturais, promovendo o acesso à produção simbólica e à diversidade cultural dos municípios, criando experiências significativas aos visitantes.

O tema definido pelo ICOM para a edição de 2020 do Dia Internacional dos Museus, que será o mote norteador à Semana, é “Museus para a Igualdade: diversidade e inclusão”. A 18ª Semana Nacional de Museus acontecerá de 18 a 24 de maio de 2020.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS