Sérvia 2 16/08/2020 20h57

Pelo mundo: Belgrado, o encontro de dois grandes rios

Acompanhe na próxima semana uma incrível viagem pela Macedônia, com Aidir Parizzi Júnior

Sempre que possível, estudo os lugares que visitarei. Contudo, aprendi que é preciso deixar espaço para o inesperado e a mente aberta para aspectos bons e ruins que possamos ter lido ou ouvido antes da visita. Como em tudo mais na vida, devemos estar atentos à nossa ignorância. O que mais vale, no final, é sempre a impressão obtida in loco, a partir da percepção livre e sem juízo prévio. E como é espetacular quando a realidade acaba superando em muito a expectativa, como senti em Belgrado. É claro que o mesmo se aplica não só para lugares, mas também em nossos encontros pessoais e, por vezes, nas tantas coisas que descobrimos em nós mesmos.

Caminhando pelas ruas da capital de 1,3 milhão de habitantes, lembro das tantas cidades do leste europeu que ainda não foram tomadas pelo turismo em massa, e como não ficam devendo nada aos bem mais populares destinos da Europa ocidental. Além disso, o fato de o turismo nesses lugares custar relativamente pouco deveria ser um atrativo adicional.

LEIA MAIS: Sérvia, berço da mente brilhante de Tesla

Rios Sava e Danúbio encontram-se em Belgrado, na Sérvia

Belgrado é formada pela cidade antiga, o povoado mais ao norte do antigo Império Otomano, e Zemun, na outra margem do rio, cujos moradores não deixam ninguém esquecer que foi parte do Império Austro-húngaro. Adicionando-se os legados romano e bizantino, temos uma cidade muito cosmopolita e culturalmente rica.

A Catedral de São Sava é o maior templo ortodoxo da Europa e um dos maiores do mundo. É a sede da Igreja Ortodoxa Sérvia, que, embora faça parte da Comunhão Ortodoxa Oriental, é uma denominação in dependente desde 1219. Construída sobre o mesmo local onde os otomanos profanaram e queimaram os restos do fundador São Sava em 1594, seu interior impressiona pelos belos e tradicionais ícones e pela cripta ricamente decorada.

Próximos dali estão o Teatro Nacional, o Museu Histórico da Sérvia e a Assembleia Nacional, que já foi também sede do parlamento da antiga Iugoslávia. Nesse último local, as faixas de protesto são um lembrete de que Kosovo, país vizinho parcialmente reconhecido, continua sendo uma região disputada pela Sérvia.

LEIA MAIS: FOTOS: Nepal, espiritualidade e sincretismo no topo do mundo

A Catedral de São Sava é o maior templo ortodoxo da Europa
O centro das decisões: o suntuoso prédio do Parlamento sérvio

A agradável rua de pedestres Knez Mihajlova leva da Praça da República até a lendária confluência dos rios Sava e Danúbio. Ali entende-se bem a relevância da cidade no cenário europeu. Cercada pelo vasto parque Kalemegdan, a imponente Fortaleza de Belgrado foi construída há 2.300 anos, exatamente no estratégico encontro dos dois rios. A aparência alva da fortaleza deu o nome à cidade, que em eslavo antigo significa Cidade Branca. A importância da localização rendeu a essa capital mais de cem guerras, com a cidade praticamente arrasada por 44 vezes. O parque e a fortaleza proporcionam uma belíssima vista do encontro fluvial e da cidade.

Como acontece quando estamos com pessoas de quem gostamos muito, é sempre bom deixar um lugar com vontade de ficar mais. Saímos enriquecidos, pela expectativa de um retorno e pelo entusiasmo da lembrança. Amanhece na capital da Sérvia enquanto embarco para a Macedônia, outra nação desmembrada dos antigos domínios do ditador revolucionário Josip Broz “Tito”. Os nomes dos aeroportos de origem e destino refletem heróis nacionais dos respectivos países. Homens bem diferentes, separados por mais de dois milênios: Nicola Tesla e Alexandre, o Grande.

LEIA MAIS: Pelo mundo: um santa-cruzense em Doha, terra da próxima Copa

Encontro das águas e da cultura: a bela cidade de Belgrado vista a partir do Rio Sava