Televisão 15/10/2020 21h22

Programa 'Altas Horas' completa 20 anos no ar

Atração mescla entretenimento e jornalismo, com convidados de diversas áreas

Nessa quarta-feira, 14, Serginho Groisman e a sua equipe comemoraram o sucesso de momentos inesquecíveis vividos nos sábados à noite. Fez exatas duas décadas que o Altas Horas entrou no ar pela primeira vez, colecionando entrevistas e conversas ainda fortemente lembradas pelo público de casa e pelos convidados do programa.

O programa chegou para mesclar entretenimento e jornalismo, com convidados de diversas áreas de atuação e a participação de jovens do país inteiro, além de muita música. A estreia do Altas Horas contou com convidados de peso como os cantores Rita Lee e Roberto de Carvalho, Paula Toller, além de Ivete Sangalo, como repórter especial, e a dupla Sandy e Junior, que participaram por vídeo.

De lá para cá, foram muitos os nomes que passaram pelo palco que, até hoje, mantém a premissa de misturar ritmos e ideias para todos os gostos. De fato, é difícil imaginar um artista, ator ou personalidade que não tenha passado pelo palco do programa. Também marcaram presença na atração artistas internacionais, que são sucesso no mundo inteiro.

LEIA MAIS: Pabllo Vittar relembra bullying na escola: ‘Me bateram, foi horroroso’


O programa ainda ficou conhecido por promover duetos especiais, como os encontros entre Elza Soares e Paulo Miklos, Maria Bethânia e Erasmo Carlos, Baby do Brasil e Pitty, Lobão e Jair Rodrigues, Caetano Veloso e Ivete Sangalo, Luiz Melodia e Céu, Los Hermanos e Belchior, Maria Rita e Fagner, Jairzinho e Dona Ivone Lara, e muitos outros. “Uma coisa que eu fui percebendo ao longo dos anos é que o importante não é quem você convida, mas o que você extrai desse convidado”, afirma Serginho.

Para o apresentador e diretor do programa, Serginho Groisman, o Altas Horas sempre foi um programa com, e não de, auditório, onde a participação ativa do público jovem se tornou marca registrada das edições. Desde a estreia, incentivar o envolvimento da plateia com os convidados e dar voz aos adolescentes faz parte da essência da atração, que, segundo o próprio Serginho, é moldado sob um ponto de vista dos jovens, mas longe de ser uma atração exclusiva para este público.

Durante 20 anos, o programa trouxe ídolos de várias gerações e abordou questões atuais e relevantes para a sociedade, incluindo no programa debates sobre o cyberbulling, questões de gênero, práticas antirracistas, fake news, entre outras discussões de interesse geral. E foi esse um dos motivos que o fez adotar o formato de arena, para que todos – convidados e plateia – fossem protagonistas, menos Serginho, que assumiu as vestes de espectador e mediador.

Outra característica foi ter apostado em programas especiais e comemorativos, como as edições realizadas para celebrar o aniversário do programa, gravadas também fora do estúdio. Nestas ocasiões, Serginho e sua equipe foram a locais como o Piscinão de Ramos, no Rio de Janeiro, a Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em Salvador, o Theatro São Pedro, em Porto Alegre, o Teatro Ópera de Arame, em Curitiba, além da Sala São Paulo e o Auditório Ibirapuera, ambos localizados em São Paulo.   

Os quadros também foram uma grande aposta. Um deles foi o ‘Púlpito’, logo em 2001, que abria o microfone para a plateia protestar sobre qualquer tema. O quadro já viajou pelo Brasil e chegou a ter uma edição só com crianças, em 2012.  Também foi destaque o ‘Não É Foto, É Vídeo’, uma brincadeira de Serginho com seus convidados, que estreou em 2006. A partir de 2007, a jornalista e sexóloga Laura Muller passou a ter um quadro cativo no programa para tirar dúvidas e tratar de pautas relativas a sexo. Também contou com a participação de especialistas em humor, entre eles, Marco Luque que, em 2016, também ganhou espaço semanal na atração.

LEIA MAIS: Maju Coutinho diz que ‘deu pânico’ em estreia no ‘Jornal Nacional’


No início deste ano, iniciaram as programações com conteúdos inéditos para comemorar os 20 anos do programa. Em março, quando a epidemia do novo coronavírus ainda não era realidade no Brasil, Serginho inaugurou o palco Milton Nascimento com a presença do próprio cantor na atração. Também reuniu a formação original da Banda Altas Horas e relembrou as primeiras participações da plateia no programa.

Em seguida, adaptando-se a uma nova realidade mundial, Serginho passou a comandar o ‘Altas Horas’ de casa, revivendo os melhores momentos destas duas décadas no ar, até chegar a criar programas inéditos, com muita novidade. Além de entrevistas com personalidades que são referência em suas áreas de atuação, como William Bonner, Renata Vasconcellos, Anitta e Regina Casé, o apresentador anunciou o lançamento de novos quadros.

No ‘Nunca Te Vi Sempre Te Amei’, celebridades têm a oportunidade de conhecer anônimos ou outros famosos que admiram. Já o ’10 Minutinhos de Fama’ traz um bate papo espontâneo com crianças de várias localidades do Brasil, enquanto o ‘Pais e Filhos’ promove uma conversa franca entre famosos e seus pais. Por fim, Serginho lançou o ‘Altas Horas pelo mundo’, um encontro entre jovens ao redor do planeta. “Já havíamos planejado um novo conteúdo antes da pandemia, no estúdio. O que aconteceu é que nos adaptamos e estamos produzindo esse material a distância.”

Segundo Serginho, é sempre tempo de comemorar e, provavelmente, a celebração dos 20 anos irá se estender para além de 2020. Neste ano, ao contrário dos últimos 19, o Altas Horas não realizará uma festa específica para a data. “Não existe razão para festa, existe sim a memória e a celebração. Nós continuamos relembrando os momentos maravilhosos que tivemos e continuamos tendo. E, ano que vem, aí sim, vamos fazer uma festa de comemoração.”

LEIA TAMBÉM: ‘The Voice Brasil’ estreia 9ª temporada nesta quinta; veja como será