FILOSOFIA 13/11/2020 16h02

Livro de escritor cachoeirense aborda os propósitos da existência

Obra 'A soberania do destino – uma busca pelo sentido da vida' oferece um contraponto a filósofos clássicos

Natural de Cachoeira do Sul, Diogo Mateus Garmatz é autor do livro A soberania do destino – uma busca pelo sentido da vida (RJR, 2020). A obra lançada em março deste ano, com 334 páginas, se propõe a abordar os dilemas existenciais e trata de um clássico problema da filosofia: determinismo versus livre arbítrio.

Formando em Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e pós-graduando em Teologia e História das Religiões, em Psicologia Existencial Humanista e Fenomenológica e em Antropologia, Garmatz, em seu livro, faz um contraponto à escola existencialista, especialmente ao filósofo alemão Martin Heidegger e ao filósofo francês Jean-Paul Sartre, os quais partem da máxima de que “a existência precede a essência”.


“Eu defendo que existe um propósito determinado para cada ser antes mesmo da existenciação. A essência do ser o determina e o condiciona quando ele ainda é uma simples possibilidade de existência, e é nesse fato metafísico que se concentra o sentido e o propósito da existência do ser. Sempre acreditei que a entrada do ser no tempo não se dá da forma aleatória, mas sim, calculada, para que o ser cumpra a sua finalidade existencial que foi concebida desde a eternidade”, explica. O autor também busca, em sua obra, combater o que ele define como “veneno metafísico do mundo moderno”.

“O existencialismo, o niilismo, o ateísmo, o racionalismo cientificista, o subjetivismo e o relativismo são responsáveis pelo adoecimento da alma do homem moderno, e o uso indevido da filosofia e da metafísica na modernidade foi uma das causas da crise de desespero que assola o mundo moderno. Dessa forma, pretendo atingir e tocar no coração especialmente daqueles que não veem mais nenhum sentido em suas vidas e nenhuma razão para continuar vivendo”, afirma. A obra A soberania do destino pode ser adquirida no formato digital na Amazon por R$ 9,90, ou no formato físico ao valor de R$ 34,99. No site www.diogomateusgarmatz.com, o autor hospeda alguns de seus escritos. Ele planeja o lançamento de mais dois livros, um deles, inclusive, para 2021.

LEIA TAMBÉM: Consciência Negra: confira dicas de livros para pensar o tema

A obra pode ser adquirida no formato digital na Amazon por R$ 9,90, ou no formato físico ao valor de R$ 34,99

Exemplo de superação

Natural de Cachoeira do Sul e atualmente morador de Xangri-lá, Diogo Garmatz tem 36 anos e atua como técnico administrativo na Defensoria Pública do Estado, em Capão da Canoa. De 2006 a 2013 residiu em Santa Cruz do Sul, onde atuou em diferentes áreas.

Segundo ele, a experiência de vida e as adversidades do destino impostas na época deram-lhe o impulso necessário para buscar uma melhor qualidade de vida a ele e aos dois filhos. “De uma hora para outra, o destino me atropelou. Por circunstâncias da vida, acabei sozinho com duas crianças, uma menina de 4 anos e um menino de 6. Na época, eu não tinha nem o Ensino Médio completo e o concluí na escola Impacto. Nas noites de quinta-feira, enquanto ia para as aulas, meus filhos eram cuidados por meus amigos. Tenho muita gratidão por essas pessoas que muito me ajudaram na época.”

Garmatz destaca que não foi nada fácil superar os desafios até chegar a uma universidade federal e conquistar o tão sonhado cargo de servidor público. “Nos primeiros dias, sozinho com meus filhos, entendi que teria que ser pai e mãe deles ao mesmo tempo. Como constatei que isso não era possível, decidi então lutar e ser o melhor pai que eles poderiam ter. Comecei a estudar, e estudei muito, prestei provas em 13 concursos públicos até que, finalmente, fui nomeado. Paralelo a isso, entrei para a universidade. Por fim, iniciei pós-graduações e escrevi o livro”, conta. Atualmente os filhos, de 15 e 18 anos, continuam morando com o pai em Xangri-lá. Um dos sonhos do escritor é um dia fixar residência em Santa Cruz do Sul, terra que o acolheu com tanto carinho.

LEIA TAMBÉM: Livro Fernão Capello Gaivota completa 50 anos