Eu, Gourmet 13/11/2020 21h55 Atualizado às 22h32

Enologia: a avaliação da “safra das safras” do vinho brasileiro

No dia 7 de novembro, um pouco do que o mercado vinícola pode esperar foi apresentado na maior degustação de uma safra do mundo

Além dos vinhos de excepcional qualidade, a 28ª edição da Avaliação Nacional de Vinhos organizada pela ABE – Associação Brasileira de Enologia – tomou uma proporção mundial. Afinal, em plena pandemia e seus regramentos, a ANV inovou e despachou para vários cantos do Brasil e do exterior centenas de kits contendo as 16 amostras mais representativas desta histórica safra, oportunizando uma amostragem de como poderão ser as próximas edições!

Foram 395 amostras inscritas de 56 vinícolas que foram apreciadas por amantes do vinho, enófilos, jornalistas, produtores e simpatizantes do vinho nacional em 24 estados brasileiros, além do Distrito Federal, Chile e Uruguai.


E o que podemos confirmar, sem sombra de dúvida, é que a safra 2020 mostrou na taça que é a melhor safra de vinhos que o Brasil já teve! Para a avaliação, reuniu-se um time composto por 16 comentaristas do Brasil e do exterior – alguns presencialmente, onde o evento foi montado, no Spa do Vinho, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, e outros de forma online, bem distantes dali. E o público acompanhava tudo ao vivo, no conforto de sua casa, pelos canais da ABE no Instagram, Facebook e YouTube.

LEIA MAIS: Aprenda a preparar um delicioso pudim de panetone

“Nunca o Brasil, tanto vinícolas quanto enólogos, esteve tão preparado tecnicamente, com profundo conhecimento, precisão na viticultura e enologia, para receber e processar uma matéria-prima de tamanha qualidade. Esta safra veio para coroar todo esforço empenhado em anos de trabalho e pesquisa. Não se faz um vinho sozinho. E neste ano, a mãe natureza fez a sua parte de forma esplêndida. Coube a nós, enólogos, ter a sensibilidade e o conhecimento suficientes para gerar o melhor vinho de nossas vidas. O seu vinho, o vinho brasileiro”, atestou Daniel Salvador, presidente da ABE.

Dentro da taça

A ANV adicionou nesta edição mais duas categorias: Rosé e Tinto de Corte, colorindo ainda mais a diversidade da elaboração. Não houve vinhos pontuados abaixo dos 90 pontos e alguns chegaram a 93 de nota pelos comentaristas, surpreendidos pela excelência dos brancos e tintos apresentados. Falando em tintos, destaque para a uva Tannat, com duas amostras varietais e ainda presente em dois blends. Nos brancos, destaque para um Riesling excepcional e um Chardonnay de alta gama.

LEIA MAIS: Eu, Gourmet: o dia mundial do sushi

Confira a nominata das 16 amostras mais representativas da safra 2020:

VINHO BASE ESPUMANTE
Chardonnay – Cooperativa Vinícola Aurora – Bento Gonçalves (RS)
Riesling Itálico/Chardonnay/Pinot Noir – Chandon do Brasil – Garibaldi (RS)
Pinot Noir – Casa Valduga – Bento Gonçalves (RS)

BRANCO FINO SECO NÃO AROMÁTICO
Riesling – Cooperativa Vinícola Garibaldi – Garibaldi (RS)
Chardonnay – Cooperativa Vinícola Aliança – Santana do Livramento (RS)

BRANCO FINO SECO AROMÁTICO
Sauvignon Blanc – Vinícola Família Lemos de Almeida – Vacaria (RS)
Moscato Giallo – Vinhos Hortência – Flores da Cunha (RS)


VINHO ROSÉ FINO SECO
Cabernet Sauvignon – Vinícola Almadén – Santana do Livramento (RS)

VINHO TINTO FINO SECO JOVEM
Merlot – Vinícola Salton – Bento Gonçalves (RS)

CATEGORIA TINTO FINO SECO
Tannat – Casa Perini – Farroupilha (RS)
Cabernet Franc – Vinícola Don Guerino – Alto Feliz (RS)
Tannat – Família Bebber – Flores da Cunha (RS)
Merlot – Pizzato Vinhas e Vinhos – Bento Gonçalves (RS)
Merlot – Vinícola Cave de Pedra – Bento Gonçalves (RS)
Tannat/Cabernet Sauvignon/Cabernet Franc – Casa Venturini – Flores da Cunha (RS)
Touriga Nacional/Tempranillo/Petit Verdot/Merlot/ Cabernet Sauvignon/Tannat – Vinícola Miolo – Bento Gonçalves (RS)

Confira fotos e mais informações deste grande evento acessando o blog www.eu-gourmet.com

LEIA MAIS: Aprenda a preparar uma colorida e saborosa salada grega

Fala, Baco

Tive a satisfação de conhecer alguns dias atrás , a convite do proprietário e enólogo Gilberto Pedrucci, a Casa Pedrucci, vinícola de Garibaldi que elabora deliciosos espumantes. Gilberto – que já foi presidente da Associação Brasileira de Enologia e eleito Enólogo do Ano pela entidade – calibrou sua trajetória profissional em duas vinícolas que são referência na produção de espumantes pelo método tradicional no Brasil: Cave Geisse e Peterlongo, complementada com inúmeras viagens técnicas nas principais regiões produtoras de vinhos no mundo. Desde o início deste século produz rótulos com a sua assinatura, sediado num belo casarão de pedras basalto no interior daquele município.

Hoje, a Casa Pedrucci está presente em quase todo o Brasil, em locais de destaque e de alta gastronomia, como no Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro; o Hotel das Cataratas, em Foz do Iguaçu; Hotel Casa da Montanha, em Gramado; Enoteca Decanter, em Porto Alegre; DOC Vinhos, em Brasília, entre outros. O capo Pedrucci tem na excelência do método de elaboração e na correta maturação suas chaves-mestras para a produção dos borbulhantes.


Um dos grandes destaques da vinícola é o espumante Fatto a Mano Nature Rosé Sur Lie 2019, elaborado com as uvas Merlot e Pinot Noir e recém-chegado, com produção limitadíssima de 1.500 garrafas. Sur lie é um termo francês que significa “sobre as borras”. Trata-se de uma técnica de amadurecimento de vinhos que permanecem em contato com as leveduras, após a fermentação, influenciando a estrutura tânica, o corpo e o aroma. As garrafas de espumante elaboradas assim não levam a rolha de cortiça, mas sim uma tampa de garrafa metálica (iguais às de cerveja), pois o espumante não é sangrado no degórgement – resfriado para expulsão das leveduras e posterior colocação da rolha.

Por sugestão do enólogo, esse exemplar deve ser degustado em etapas, oportunizando duas experimentações distintas. Deve-se deixar a garrafa gelar em pé para as leveduras se acondicionarem na parte inferior, abrir com cuidado e servir a taça com o espumante límpido (cor salmão brilhante, límpida, aromas de frutas vermelhas e flores, brioche e boca fresca e ampla). Depois dar uma ligeira movimentada na garrafa e servir com as leveduras, tanto a cor quanto o olfato e o paladar mudarão, tornando-se mais complexos e exuberantes. Um espetáculo!

Possui 12,5% de graduação alcoólica, e o ideal é ser degustado na temperatura de 6 a 8 graus.

Você encontra os espumantes gaúchos na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Avenida João Pessoa, 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711 3665, telentrega pelo (51) 98416 6407 e site www.weinhaus.com.br.

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!

LEIA MAIS: Eu, gourmet: as codornas recheadas e flambadas