Eu, Gourmet 20/11/2020 18h34

Veja como preparar um saboroso risoto de moranga

Um prato que leva esse delicioso ingrediente vai encher sua cozinha de aromas!

A moranga é um tipo de abóbora, algumas têm cor alaranjada e outras são verdes. Pode ser usada tanto em doces quanto em receitas salgadas. Embora seja tecnicamente uma fruta, geralmente é considerada um vegetal. A abóbora é originária da Guiné e chegou ao Brasil, no século 16, pelas mãos dos colonizadores portugueses.

Tanto a polpa de abóbora como as sementes são ricas em vitamina C e antioxidantes, incluindo betacaroteno e outros carotenoides. Também possui alto teor de óleo vegetal insaturado, uma fonte de vitamina E, e é rica em vitaminas do complexo B. E esse montão de benefícios será levado à panela no preparo do Risoto de Moranga! Acompanhe a receita aqui.

LEIA TAMBÉM: Enologia: a avaliação da “safra das safras” do vinho brasileiro

Com o que e como fazer

Ingredientes (para 4 pessoas):
2 xícaras de arroz arbóreo ou carnaroli
2 colheres de manteiga
Uma cebola picadinha
Um dente de alho picadinho
Uma taça de vinho branco seco
500g de moranga tipo cabotiá
4 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
4 colheres de sopa de azeite de oliva extravirgem
Lascas de queijo parmesão
1 litro de caldo de galinha
olhas de sálvia fresca
Sal e pimenta-preta moída a gosto

Preparo: aqueça numa panela manteiga e azeite de oliva e junte a cebola, o alho, e algumas folhas de sálvia picadas refogando em fogo médio. Quando dourar, somar o arroz e mexer com os ingredientes. Juntar o vinho, cozinhando até evaporar parte do líquido. Adicionar a moranga picada e aos poucos ir adicionando o caldo de galinha, concha por concha, mantendo encharcado o preparo. Adicionar pimenta-preta e corrigir o sal. Cozinhar por cerca de 20 a 25 minutos para que o arroz fique “al dente”. Desligar o fogo e juntar a manteiga e o queijo parmesão. Misturar bem, tampar a panela e deixar descansar por aproximadamente três minutos, o que vai finalizar o cozimento do arroz. Servir o risoto em seguida, regando com um generoso fio de azeite de oliva e com as folhas de sálvia e raspas de parmesão.

LEIA MAIS: Aprenda a preparar um delicioso pudim de panetone

Dicas


O arroz: o risoto deve ser preparado com o arroz específico para este prato, ou o arbóreo ou o carnaroli pela sua carga de amido e formato. Quanto mais for mexido o risoto, mais amido o arroz vai liberar.

A moranga: o ideal é usar uma moranga ou abóbora fresca e de casca grossa, seja esta verde ou laranja.

A sálvia: é uma combinação ótima com a abóbora, frita junto com os temperos base e usada na decoração. O sal: a abóbora traz uma doçura ao prato, portanto, cuidado com o sal para não ficar aquém. Mas lembre-se de que o queijo parmesão também é salgado, então corrija ao final.

Confira receitas, crônicas e dicas de vinhos acessando o blog www.eu-gourmet.com

LEIA MAIS: Eu, Gourmet: o dia mundial do sushi

Fala, Baco

A uva Cabernet Franc foi introduzida no Rio Grande do Sul pela Estação Agronômica de Porto Alegre, por volta de 1900, e foi uma das variedades viníferas mais plantadas no Estado até a década de 1980. Essa casta era utilizada em grande escala na produção de vinhos de mesa e coloniais. A cepa foi praticamente extinta no Rio Grande do Sul e nos últimos anos replantada com clones de melhor qualidade. Isso vem rendendo excelentes vinhos varietais vindos das diversas regiões produtoras gaúchas, principalmente o Vale dos Vinhedos, a Campanha Gaúcha, a Serra do Sudeste, além de Flores da Cunha e Pinto Bandeira. Na Argentina, a Cabernet Franc adquiriu um status de qualidade igual ou superior ao Malbec.

A origem dessa casta prima da Cabernet Sauvignon é a Espanha, oriunda das uvas Morenoa e Hondarribi, depois espalhando-se pela França em Bourdeaux e Loire. E é essa casta que produz vinhos estruturados, intensos e aromáticos que dão vida ao rótulo comentado desta semana, o Casa Venturini Cabernet Franc 2018, produzido pela vinícola homônima de Flores da Cunha com uvas procedentes de Pinheiro Machado, na Serra do Sudeste gaúcho. De coloração rubi brilhante, traz ao nariz aromas frutados e florais, toque herbáceo, especiarias e leve baunilha, mesmo sem passagem por barrica de carvalho. Possui corpo médio, boa estrutura, taninos redondos e suaves e amplo final. É fresco, fácil de beber e faz querer que se deguste mais uma taça.


Faz boa companhia com carnes vermelhas magras e legumes grelhados, cordeiro na brasa, risoto de cogumelos frescos, lombo de porco, lasanha a bolonhesa, tortéis e queijos médios.

Tem 12,7% de graduação alcoólica, e o ideal é ser degustado na temperatura de 16 a 18 graus.

Você encontra os vinhos da Casa Venturini na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Avenida João Pessoa, 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711 3665, telentrega pelo (51) 98416 6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!

Você aprende muito sobre alguém ao compartilhar uma refeição.

Anthony Bourdain

LEIA MAIS: Aprenda a preparar uma colorida e saborosa salada grega