O QUE VEM POR AÍ 03/01/2021 20h17

Livros: sugestões de autores e obras para ler em 2021

Veja diferentes gêneros textuais, nacionais e internacionais, que merecem estar na mesa de cabeceira de um leitor que pretende estar antenado

O ano de 2020 foi muito afetado pela pandemia. No entanto, curiosamente, a orientação ao distanciamento social de certo modo favoreceu a leitura. Além das restrições a eventos e atividades em público, uma parcela da sociedade optou por ficar mais tempo em casa, não só durante a quarentena, e isso promoveu interesse renovado para se informar e se ocupar de maneira instrutiva e produtiva. Pelas diversas vias de comercialização, e mesmo sem números definitivos de vendas no ano, livrarias percebem incremento nos negócios, que em alguns nichos supera a 10%.

E é com esse cenário, de estímulo à leitura, que as editoras projetam lançamentos de vulto para 2021. Ainda que o catálogo não esteja constituído para todos os meses do ano, já se sabe que excelentes novidades vêm por aí, inclusive a partir de janeiro, com títulos aparecendo em pré-venda nos sites das próprias editoras e em livrarias virtuais. O Magazine faz um levantamento do que está previsto e sugere obras e autores, de diferentes gêneros textuais, nacionais e internacionais, que merecem estar na mesa de cabeceira de um leitor que se pretenda antenado.

LEIA MAIS: Consciência Negra: confira dicas de livros para pensar o tema

LOUISE GLÜCK

Uma das grandes pedidas de2021 tende a ser a ganhadora doNobel de Literatura de 2020, anorte-americana Louise Glück,poeta de 77 anos

Uma das grandes pedidas de 2021 tende a ser a ganhadora do Nobel de Literatura de 2020, a norte-americana Louise Glück, poeta de 77 anos. O anúncio da escritora revestiu-se de uma certa surpresa, pois seu nome nem chegava a figurar entre as apostas, entre as quais estavam em destaque o queniano Ngugi wa Thiong’o, o israelense David Grossman, a caribenha Jamaica Kincaid, o romeno Mircea Cartarescu e a guadalupenha Maryse Condé, entre outros. Tão logo o nome de Louise foi divulgado, em outubro, a Companhia das Letras, que tem em seu catálogo a já célebre série Nobel, anunciou que vai lançar, a partir do primeiro semestre de 2021, um pacotão de livros da poeta, até o momento inédita no Brasil.

Essa acaba sendo uma boa decorrência do Nobel, que, no País, tem o efeito de iluminar autores e obras por vezes ainda deixados à parte ou à margem entre os brasileiros, ainda que sejam admirados e editados no mundo todo. Foi o que aconteceu, por exemplo, em torno da bielorrussa Svetlana Aleksiévitch, 72 anos, ganhadora do Nobel de 2015 e que naquela ocasião igualmente não dispunha de nenhuma obra nas livrarias brasileiras, e da qual a Companhia das Letras já lançou cinco títulos até o momento.

Assim, a princípio, a Companhia das Letras anuncia o lançamento, a partir do início de 2021, de quatro livros de Louise Glück, que então poderá ser apreciada pelos leitores de poesia no Brasil. E cada obra ainda virá acompanhada de ensaio diferente da autora americana sobre a literatura. O primeiro a chegar às livrarias deve ser uma coletânea reunindo Faithful and virtuous night, seu livro mais recente, lançado há cinco anos, e que foi vencedor do prestigioso National Book Award, e os dois imediatamente anteriores, A Village Life e Averno.

Com isso, os leitores poderão avaliar a produção atual da mais recente ganhadora de Nobel. E no segundo semestre deve chegar a tradução de Winter recipes from the collective, que ainda nem foi publicado nos Estados Unidos. E os outros dois volumes contratados pela Companhia devem reunir cinco livros mais antigos de Louise. A tarefa da versão da autora caberá a três tradutoras tarimbadas: Bruna Beber, Heloisa Jahn e Marília Garcia.

LEIA TAMBÉM: Livro Fernão Capello Gaivota completa 50 anos

DOUGLAS STUART

Outra obra internacional que gera expectativa desde já por sua tradução em 2021 é o romance Shuggie Bain, do escocês-americano Douglas Stuart, 44 anos, nada menos do que o vencedor do Man Booker Prize 2020, o mais almejado prêmio de livro publicado em inglês no mundo todo. Projetado por essa conquista, Stuart, inédito no Brasil, será publicado por aqui pela Intrínseca.

Mais um nome que deve merecer atenção é o da holandesa Marieke Lucas Rijneveld, jovem de 29 anos, que conquistou o igualmente incensado Man Booker Prize International, para obras publicadas originalmente em língua que não seja o inglês, mas foram posteriormente traduzidas para ele. O romance de estreia de Marieke, The discomfort of evening, foi o agraciado, e vale a pena ficar de olho porque a tradução deve chegar às livrarias brasileiras nos próximos meses.

LEIA MAIS: Dia Nacional do Livro: influenciadores fazem leituras coletivas em vídeo

MARLON JAMES

Ainda entre os estrangeiros, a Intrínseca distribui a partir de janeiro o novo romance do jamaicano Marlon James, 50 anos, vencedor do Man Booker Prize em 2015 com Breve história de sete assassinatos, este lançado pela mesma editora em 2017. O novo livro de James, Leopardo negro, lobo vermelho, é de 2019, e agora chega ao País.

LEIA TAMBÉM: A Banca: um lugar de resistência para difusão da cultura no município

SILVIANO SANTIAGO

Por fim, há excelente novidade entre os escritores brasileiros. É o novo livro do romancista e ensaísta mineiro Silviano Santiago, 84 anos, que segue em sua produção de cunho autobiográfico com Menino sem passado (1936-1948), abarcando seus primeiros 12 anos. Em 464 páginas, pela Companhia das Letras, a obra já está em pré-venda, e contextualiza a reta final da primeira metade do século 20, em sua vida e no Brasil como um todo. É uma viagem no tempo que Santiago proporciona ao leitor, neste período que se espera venha a ser de pós-pandemia.

LEIA MAIS
Pesquisa mostra que cresce o hábito de leitura entre crianças
Ler faz muito bem: o universo dos clubes de leitura