JF Vighi 22/10/2018 01h36 Atualizado às 12h03

O empate

O Grêmio foi a Minas Gerais para cumprir a tabela e tentar um milagre. Foi o que vi com a escalação de dois laterais esquerdos, um meio de campo congestionado e poucas opções de ataque

O Grêmio foi a Minas Gerais para cumprir a tabela e tentar um milagre. Foi o que vi com a escalação de dois laterais esquerdos, um meio de campo congestionado e poucas opções de ataque. Apático, desentrosado e pouco criativo, o Grêmio permitiu ao América as principais jogadas no primeiro tempo. Renato tentou corrigir só com conversa de vestiário, para melhorar o desempenho. Teve sucesso, porém o gol de empate saiu de um pênalti em Juninho Capixaba, em sua verdadeira posição, após a entrada de Pepê no lugar do Marcelo Oliveira. Renato voltou a fazer alterações com as entradas de Douglas e Vico, mas foi o América que cresceu e o goleiro Paulo Victor foi o destaque gremista. O resultado não foi ruim devido às circunstâncias, mas o Grêmio cada vez mais se afasta dos líderes.

Problemas

Luan e Everton estão fora do primeiro jogo contra o River Plate e fragilizam o que de melhor o Grêmio tem em se tratando de jogadas ofensivas. Renato montará a equipe com muitos cuidados defensivos. A tendência de usar contra-ataques passa a ser a melhor opção. A volta de Ramiro pode dar o equilíbrio ao meio de campo no setor de marcação, provavelmente com três volantes. O empate é um bom resultado. Rodrigo Vianna e Adriano Júnior estarão em Buenos Aires para trazer, pela Rádio Gazeta AM 1180, as emoções deste grande confronto sul-americano.

Só vencer

O Internacional joga hoje no Beira-Rio e só a vitória interessa para permanecer próximo ao Palmeiras. O Santos é uma das melhores equipes neste segundo turno do Brasileirão. A volta de Rodrigo Moledo traz a segurança para a defesa.