JF VIGHI 04/08/2020 10h56

Bom senso

Após alguns jogos em gramados ruins, o Beira-Rio e a Arena foram liberados. Demorou

Ainda não deu para entender a atitude de alguns prefeitos, principalmente o de Porto Alegre, que resultaram no atraso do reinício do Gauchão, obrigando os jogos a serem realizados em gramados sem condições para a prática de um bom futebol. Após alguns jogos em gramados ruins, o Beira-Rio e a Arena foram liberados. Demorou.

Inter

O Beira-Rio estava bonito, todo decorado, som da torcida e muita animação virtual. O Inter demorou apenas 15 minutos para despachar o Esportivo. A equipe de Bento não suportou a marcação forte na saída de bola, junto com a velocidade e intensidade do Colorado. Parece que o Eduardo Coudet estava com a razão quanto à qualidade dos gramados. O Inter já tinha ido bem contra o Aimoré, respeitando a fragilidade do rival. No Beira-Rio foi melhor. Porém, o Esportivo ganhou do Juventude em Caxias e chegou com méritos às semifinais.

Grêmio

A Arena também estava bonita, com sonorização a mil e muita vibração. O Novo Hamburgo classificou com um empate contra o time reserva do próprio Tricolor. Em casa, o Grêmio também começou arrasando o adversário. Porém o Noia, do Márcio Nunes, não se entregou e empatou ainda no primeiro tempo. Apesar da vitória, o Grêmio não fez um bom jogo. A falha do setor defensivo do Anilado e o oportunismo de Luciano deram a vitória à equipe de Renato Portaluppi.

Favoritismo

O Grêmio tem um elenco mais homogêneo, melhores alternativas e, coletivamente, também parece levar vantagem. O Inter, do Coudet, voltou a ser um time rápido e com muita intensidade. É GreNal novamente amanhã. E mais uma vez sem favorito.  

LEIA MAIS COLUNAS DE JF VIGHI