Objetiva Mente 11/06/2018 22h13 Atualizado às 10h20

Tarja preta

Os principais riscos incluem sedação diurna, perda do equilíbrio e coordenação, grande interação com álcool, lapsos de memória, amnésias, intoxicacão

Diazepam, clonazepam, bromazepam, midazolam, alprazolam, entre tantos outros. Você já deve ter ouvido falar neles ou nos seus respectivos nomes comerciais. Talvez você já tomou, está tomando ou vai tomar um deles. Eles são os medicamentos psiquiátricos mais vendidos nas farmácias do Brasil e mais distribuídos nas redes básicas municipais.
Os benzodiazepínicos são medicamentos extremamente úteis para alívio de sintomas bastante desagradáveis na prática clínica diária. Bastante tolerados, têm início de ação rápida e são muito baratos em comparação a outros medicamentos utilizados na psiquiatria. As indicações principais desses medicamentos são controle da ansiedade, angústia, insônia, abstinência de drogas, agitação psicomotora e até mesmo convulsão.

Apesar de serem ótimos para o curto prazo, não são medicamentos adequados para uso contínuo. Raras são as situações em que devemos mantê-los indefinidamente. Como pode-se perceber suas indicações são para tratar sintomas, não para tratar doenças.

Esses medicamentos, por determinação da legislação, devem ter na sua caixa uma tarja preta. E não é por acaso, pois eles têm riscos. E esses riscos infelizmente são muitas vezes negligenciados por nós, médicos, e pelos pacientes.

Os principais riscos dos tarjas preta incluem sedação diurna, perda do equilíbrio e coordenação, grande interação com álcool, lapsos de memória, amnésias, intoxicação, coma e morte. Com o uso continuado há agravamento da dificuldade de concentração e memória, depressão e aparecimento de sintomas demenciais precoces. Por serem medicamentos que desenvolvem tolerância, exigem que a dose seja aumentada para se ter o efeito desejado, gerando abuso e favorecendo a dependência química. Não raramente são utilizados junto com bebida alcoólica em tentativas de suicídio.

Por serem baratos e agirem rápido, os pacientes se sentem tão bem que isso pode até gerar dependência psicológica e resistência de retirar o medicamento. Muitos médicos ainda tratam transtornos depressivos e ansiosos exclusivamente com benzodiazepínicos, o que não é aconselhável. Eles até são utilizados no início junto com os antidepressivos para alívio dos sintomas, já que esses medicamentos para depressão levam três semanas para fazer efeito.

Se você faz uso continuado de tarjas preta, cuidado. Procure seu médico para tentar retirá-los ou trocar por medicamentos mais adequados e seguros para suas necessidades. Para insônia, há medicamentos melhores. Para ansiedade também. Depressão nem se fala. Não use tarjas preta sem acompanhamento profissional, pois com o tempo a cabeça pode ficar no escuro.