Memória 05/02/2018 09h43

Táxi aéreo

Em março de 1948, o empresário Jorge Hoelzel reuniu um grupo de investidores para discutir a criação de uma empresa de táxi aéreo, para atender Santa Cruz do Sul e região

Foto: Reprodução

Aeroclube realizava várias festividades em sua sede ao longo do ano, inclusive escolha de sua rainha
Aeroclube realizava várias festividades em sua sede ao longo do ano, inclusive escolha de sua rainha

Em março de 1948, o empresário Jorge Hoelzel reuniu um grupo de investidores para discutir a criação de uma empresa de táxi aéreo, para atender Santa Cruz do Sul e região. Seria uma forma de preencher a lacuna deixada pela Varig que, em 1941, acabou com a linha regular entre o município e Porto Alegre.

Em 4 de junho, com festa no “campo da aviação” (onde hoje é a Metalúrgica Mor), foi inaugurada a Táxi Aéreo Santa Cruz. Era constituída por acionistas e comandada por Hoelzel e Orlando Baumhardt.

Para o serviço, foi adquirido um avião americano Stinson, com capacidade para o piloto e três passageiros. Foi firmada parceria com a Táxi Aéreo Guarani, pioneira no Estado e que pertencia aos industriais A. J. Renner e Bruno Born, de Lajeado.

A Táxi Aéreo Santa Cruz realizava voos para Porto Alegre todas as terças-feiras, saindo às 8 horas e regressando às 17 horas. Fazia viagens extras quando necessário e sobrevoos (passeios) pela região.

Em 19 de outubro de 1948, o jovem jornalista da Gazeta, Mário Assmann, viajou a convite do piloto Ernesto Binz. Na reportagem, relatou que estava tão admirado olhando a paisagem que só se deu conta que já se encontrava em Porto Alegre quando o piloto anunciou o pouso no Aeródromo São João (hoje Aeroporto Salgado Filho).

O monomotor atingia 196 quilômetros por hora e o percurso até a Capital era feito em 40 minutos (de ônibus, eram quatro horas). No fim do ano, ocorreu viagem de passeio a Foz do Iguaçu (PR).

No início de dezembro de 1948, a empresa publicou a relação das pessoas que voaram no mês anterior, a negócios ou em passeios sobre a região. Dos 62 passageiros, oito eram senhoras: Helvetia Loewenhaupt, Romilda Hennig, Maria A. Spode, Esther Hennig, Elly Karl, Wanda Simon, Lucy A. Hildebrand e Selma Tankersley. 

PESQUISA: Arquivo da Gazeta