Memória 12/03/2018 00h14 Atualizado às 09h25

Pracinha em Bolonha

De Santa Cruz do Sul e região, 66 militares integraram a Força Expedicionária Brasileira

Foto: Reprodução

Correspondentes de guerra iam em um jeep da FEB conduzido pelo santa-cruzense
Correspondentes de guerra iam em um jeep da FEB conduzido pelo santa-cruzense

No próximo dia 25 de abril, a Itália prestará homenagem aos pracinhas brasileiros que ajudaram a libertar o país do nazifascismo na Segunda Guerra Mundial. De Santa Cruz do Sul e região, 66 militares integraram a Força Expedicionária Brasileira.

Em 21 de fevereiro de 1945, a FEB realizou sua mais importante conquista na Europa: a tomada do Monte Castelo. A partir daí, os aliados abriram caminho para a cidade de Bolonha, uma das mais importantes da Itália. Nessa missão, o soldado Afonso Simões Pires, de Santa Cruz do Sul, acabou ficando famoso.


Embarque dos pracinhas no Rio de Janeiro rumo à Itália foi em clima de emoção


Simões era motorista e foi encarregado de entrar com os jornalistas em Bolonha. O momento de emoção vivido pelos italianos e brasileiros foi relatado pelo correspondente de guerra dos Diários Associados, Joel Silveira, aos órgãos de imprensa do Brasil.

A Gazeta publicou a notícia na capa, na edição de 27 de abril de 1945. Na época, as notícias da guerra chegavam por telegrama. Confira.

“Bolonha, 23 (correspondente Joel Silveira): O pracinha Afonso Simões Pires, natural de Santa Cruz, Rio Grande do Sul, motorista do jeep que conduzia os correspondentes de guerra, foi o primeiro soldado da FEB a entrar em Bolonha, acompanhando os jornalistas.

O seu uniforme diferente, particularmente o símbolo da ‘cobra fumando’, que levava no braço esquerdo da túnica, despertou a atenção da população desta capital, que cercou o pracinha na Praça da Liberdade, impossibilitando, durante mais de uma hora, que o nosso jeep continuasse a viagem pelas ruas de Bolonha. Uma senhorita arrancou um botão da túnica de Simões Pires dizendo: ‘quero guardar comigo uma lembrança do Brasil.’ ”


Afonso era filho de Célia Galvão Simões Pires Franco. Em 12 de outubro de 1945, a Gazeta informou que ele estava de volta a Santa Cruz, no convívio dos familiares e amigos. (PESQUISA: Arquivo da Gazeta)