Distanciamento controlado 03/07/2020 20h35

Sem a presença dos alunos, escola agrícola precisou se reinventar

Com as atividades pedagógicas e formativas paralisadas desde o dia 30 de março, a instituição tem funcionado de forma remota, por meio do envio de materiais e encontros em salas virtuais

No ano em que completou 11 anos de existência, a Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul (Efasc) enfrenta um de seus maiores desafios: a pandemia do novo coronavírus. Atualmente com 109 alunos de dez municípios da região do Vale do Rio Pardo, a escola tem buscado novos métodos de ensino para se adequar à atual realidade.

Com as atividades pedagógicas e formativas paralisadas desde o dia 30 de março, a instituição tem funcionado de forma remota, por meio do envio de materiais e encontros em salas virtuais. Para isso foi realizada uma pesquisa entre os alunos, na qual se constatou que 94% deles possuem acesso à internet em casa. Aos que não têm foram disponibilizados um computador e acesso às instalações da escola para que possam participar dos encontros virtuais.

LEIA MAIS: Com suspensão de aulas presenciais, Efasc adota nova dinâmica

De acordo com o professor e membro da coordenação da Efasc João Paulo Reis Costa, o afastamento trouxe desafios, mas a tecnologia também oferece novas oportunidades. “Tem se mostrado uma rica possibilidade de aproximar a escola e os estudantes, e de conhecer as técnicas e tecnologias de produção que realizam em casa”, observou.

Segundo ele, a produção agrícola – um dos destaques da instituição – não parou. “O setor de produção agropecuária, respeitando os protocolos, segue organizando a área produtiva, preparando a terra para produzir alimentos, bem como fazendo a manutenção das máquinas e equipamentos que precisam estar em constante uso.”

LEIA MAIS: Confira lista de beneficiados com bolsas de estudo da Sicredi em escolas agrícolas

Sem a presença dos estudantes, a Efasc segue produzindo com a ajuda dos professores, em quantidades menores e apostando no cultivo de frutas e plantas medicinais, que perduram por mais tempo. No âmbito do projeto Quintais Orgânicos de Frutas, espécies como pêssego, limão e goiaba, e nativas, como pitanga, butiá e araçá, entre outras, são a prioridade no momento. Também são cultivadas dez espécies medicinais. Sendo uma escola de internato, onde os estudantes permanecem ao longo da semana, ainda não existe previsão de normalização das atividades.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS