Manifestação 04/03/2021 10h28 Atualizado às 19h33

FOTOS: carreata em Santa Cruz pede flexibilização e abertura de serviços não essenciais

Cerca de 200 carros participaram do ato; grupo foi recebido pela prefeita Helena Hermany

Uma carreata foi realizada na manhã desta quinta-feira, 4, pelas principais ruas de Santa Cruz do Sul. O ato reuniu pessoas de segmentos como comércio, alimentação e educação. Entre os pedidos, mais flexibilização e a abertura de serviços considerados não essenciais. A Guarda Municipal auxiliou no trânsito.

Cerca de 200 carros partiram da Rua Galvão Costa, passaram pela Avenida Independência, Avenida Oscar Jost, Monumento ao Imigrante, ruas Marechal Deodoro, Ramiro Barcelos, Marechal Floriano, finalizando no Palacinho. Lá a prefeita Helena Hermany recebeu quatro integrantes do grupo: um representante do segmento de alimentação, outro da educação e dois do comércio.

LEIA TAMBÉM: Prefeitos podem decretar lockdown em toda a região

O grupo quer chamar a atenção da prefeita para que lute contra o fim da cogestão ou para que sejam flexibilizadas as regras da bandeira preta. O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Márcio Martins, também participou do encontro.

Durante a reunião, a prefeita afirmou entender a questão dos manifestantes, mas estar de mãos atadas perante o agravamento da pandemia. “Assim como eu entendo a necessidade de vocês, eu também sei do caos que está no hospital. Eu não posso ser mais permissiva – eu posso ser mais restritiva -, sob pena de ser responsabilizada judicialmente, por causa da gestão plena em saúde”, disse.

LEIA MAIS: ‘UTIs estão lotadas como se fosse guerra’, diz coordenadora de Saúde

Helena ainda lembrou a questão financeira, afirmando ter tomado providências para auxiliar a situação. “Sei como é a dificuldade de ter que pagar contas e não ter dinheiro. Por isso, fizemos uma lei para financiar recursos para empresas pequenas e médias.” E completou: “Se [o Estado] decretar bandeira preta, eu tenho que cumprir, pois isso é um dever jurídico”.

LEIA TAMBÉM: Afinal, qual é a diferença entre lockdown e bandeira preta?

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS