Potira 20/04/2021 07h56 Atualizado às 19h05

Marinha monitora ciclone atípico no litoral da região Sul

Os efeitos do sistema serão sentidos no mar e em terra, mas, principalmente, no oceano

Um ciclone atípico atua sobre o Oceano Atlântico na altura dos litorais do Sul e do Sudeste do Brasil. Os efeitos do sistema serão sentidos no mar e em terra, mas, principalmente, no oceano. O evento tem o potencial de ser o primeiro ciclone atípico (subtropical ou tropical) com nome em 2021 no Atlântico Sul, devendo ser chamado de Potira.

Conforme a MetSul Meteorologia, o fenômeno é chamado de atípico pois a regra é que ciclones não tenham características subtropicais ou tropicais no litoral do Brasil, mas em quase todos os anos ocorre ao menos um. Já os ciclones extratropicais são comuns no Atlântico Sul.

LEIA TAMBÉM: Ciclone na costa deve causar temporais no Estado a partir desta terça

Ainda de acordo com as Normas da Autoridade Marítima para Meteorologia Marítima (NORMAM-19) da Marinha, para que haja a classificação do ciclone como tempestade subtropical ou tropical e a sua nomeação, os ventos deverão ser iguais ou superiores a 34 nós ou 63 quilômetros por hora.

Com relação aos efeitos, no mar a tendência é de vento muito forte nas áreas próximas do centro do sistema, distante da costa. Já em terra, a tendência é que a circulação do ciclone leve umidade do mar para o continente entre Santa Catarina e São Paulo. Os ventos úmidos vindos do mar, devem gerar chuva que pode ser forte a intensa com altos volumes de água. O risco maior de chuva forte deve ser nos litorais do Paraná e de São Paulo.

LEIA TAMBÉM: Ciclone causa morte no Estado e segue o alerta de ventos de 100 km/h

Trajetória do ciclone
O ciclone vai se formar na costa do Sudeste neste começo de semana e terá deslocamento lento. A tendência é que evolua para o Sul com o passar dos dias. A previsão é que permaneça o tempo todo sobre alto mar, sendo que os dados atuais indicam que o sistema não tocaria a terra. Mesmo que tomasse rumo ao continente, uma frente fria avança no próximo fim de semana e dificultaria o deslocamento para a terra.

Tempo na região
Para o Vale do Rio Pardo, os dias devem ser de tempo bom ao longo da semana. O meteorologista da MetSul Luiz Fernando Nachtigall, explica que um ar mais frio atua sobre o Estado deixando as madrugadas frias e as tardes quentes.

LEIA TAMBÉM: VÍDEO: MetSul alerta para ‘ciclone bomba’ no Rio Grande do Sul

Nesta terça-feira, 20, a temperatura mais baixa na madrugada foi em Venâncio Aires, com 13 graus. Os demais municípios ficaram na média dos 15 graus. O dia será de vento fraco e a tarde com uma brisa moderada. A temperatura deve chegar aos 27 graus na maioria dos locais.

Nos demais dias, até sexta-feira, 23, o sol segue predominando na região. Pode ocorrer maior nebulosidade no começo do dia, com formação localizada de nevoeiro, principalmente na quarta, 21. As temperaturas seguem semelhantes as registradas nesta segunda.

>> Confira como está o tempo em Santa Cruz do Sul agora