EPICOVID19-BR 17/05/2020 19h39 Atualizado às 19h55

Pesquisadores são impedidos de realizar estudo que apura incidência da Covid-19

Pesquisa que UFPel realiza no Rio Grande do Sul foi ampliada para o País, mas, em cerca de 30 cidades, prefeituras e até a polícia impediram o trabalho

Uma pesquisa nacional que busca traçar um panorama sobre a parcela da população que já foi infectada pelo novo coronavírus está parada em alguns municípios depois de cientistas terem problemas em entrar nas casas das pessoas. O trabalho, liderado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), abrangia 133 cidades, mas em pelo menos 30 os pesquisadores estão com dificuldade de realizar o estudo.

O Epicovid19-BR, considerado o maior estudo populacional sobre coronavírus no Brasil, foi planejado para usar uma metodologia similar à das pesquisas eleitorais para estimar o número real de infectados no Brasil. O trabalho tem apoio e financiamento do Ministério da Saúde, mas, de acordo com nota divulgada neste domingo, 17, pela UFPel, ele foi inviabilizado em algumas cidades do País.

LEIA MAIS: Aplicação de testes para pesquisa nacional começa nesta quinta

A instituição relata que entrevistadores do Ibope que aplicavam testes na população foram detidos em alguns municípios. Conforme o Estadão relatou na sexta-feira, 17, isso ocorreu, por exemplo, em São José dos Campos, interior de São Paulo.

A nota informa que os pesquisadores estão parados em cerca de 30 cidades, já que o envio do ofício do Ministério da Saúde comunicando os 133 municípios que participam do projeto chegou pouco tempo antes do início dos trabalhos. “Quando as equipes do Ibope chegaram a alguns lugares na semana passada, a notícia da pesquisa ainda não estava disseminada na população. Seja porque o ofício não foi visto ou porque não houve tempo hábil de fazer uma articulação com as secretarias de saúde”, afirma o epidemiologista e reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Pedro Hallal, que coordena a iniciativa.

Segundo ele, em cerca de cem municípios as dúvidas foram rapidamente esclarecidas e a pesquisa funcionou bem, caso de Manaus. “Nas outras cidades, as autoridades locais fizeram uma série de confusões”, diz.

LEIA MAIS: Pesquisa estima que 15.066 pessoas foram infectadas pela Covid-19 no RS

Hallal conta que um dos municípios onde os pesquisadores estão parados alegou que teste epidemiológico usado na pesquisa não era aprovado pela Anvisa. Mas o material foi enviado e aprovado pelo próprio Ministério da Saúde, ao qual a agência reguladora é vinculada.

Ele também afirma que neste domingo, 17, pesquisadores foram encaminhados a uma delegacia em Criciúma (SC), para prestar esclarecimentos. “Há um prejuízo de recursos públicos. Esses entrevistadores são pessoas que estão trabalhando para sustentar suas famílias e se expondo. Se estivéssemos num lugar racional, as pessoas estariam aplaudindo esses pesquisadores”, diz Hallal.

A Epicovid19-BR estava prevista para ser encerrada neste domingo, mas os coordenadores decidiram prolongá-la até terça-feira, 19. No trabalho, a população é testada em casa, por meio de um sorteio aleatório utilizando dados do IBGE. Os profissionais coletam uma amostra de sangue da ponta do dedo do participante.

O estudo começou no Rio Grande do Sul e há pouco mais de um mês o Ministério da Saúde solicitou à universidade que desenhasse o mesmo protocolo de atuação em nível nacional. Em avaliação preliminar, a pesquisa detectou que o número de casos da Covid-19 no Rio Grande do Sul é aproximadamente 15 vezes maior do que o número de casos confirmados pelo governo do Estado.

LEIA MAIS: Como é feito o teste rápido da pesquisa que mapeia o coronavírus em Santa Cruz

Leia a nota da Universidade Federal de Pelotas:

A administração da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) vem a público prestar necessários esclarecimentos sobre a pesquisa EPICOVID19-BR, o maior estudo populacional sobre o coronavírus no Brasil. O estudo é coordenado pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da UFPel, que há cerca de 40 anos realiza estudos populacionais em Pelotas, no Rio Grande do Sul, no Brasil e no mundo. O EPICOVID19-RS é financiado e apoiado pelo Ministério da Saúde, como consequência da experiência exitosa do EPICOVID19-RS, que já testou 13.189 gaúchos, de nove cidades, com total sucesso.
O projeto EPICOVID19-RS foi submetido à apreciação ética da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), tendo sido aprovado no dia 28 de abril (CAFE 30721520.7.1001.5313). Para a coleta de dados, foi contratado, via processo seletivo, o IBOPE Inteligência, empresa com larga experiência em pesquisas. Todos os requisitos éticos e de segurança são seguidos, incluindo o uso de equipamentos de proteção individual, a inclusão apenas de entrevistadores com teste negativo para coronavírus e protocolos para o descarte dos materiais, conforme pactuado com o Ministério da Saúde.
O Ministério da Saúde responsabilizou-se por contatar os 133 municípios participantes da pesquisa, o que ocorreu por meio de ofício durante essa semana. Além disso, o estudo está divulgado na página oficial do Ministério (www.saude.gov.br). Infelizmente, desde o início do trabalho de campo, no dia 14 de maio, as equipes de pesquisa vêm passando por diversas situações constrangedoras, amplamente noticiadas na mídia. Em cerca de 30 cidades, os pesquisadores estão de braços cruzados esperando autorização dos gestores municipais, num processo burocrático que pode causar prejuízo aos cofres públicos, visto que a pesquisa é financiada com recursos públicos.
Nas situações mais graves, os entrevistadores do IBOPE Inteligência foram detidos, com uso de força policial, tendo sido tratados como criminosos. Trata-se de cerca de 2.000 brasileiros e brasileiras, que estão trabalhando para sustentar suas famílias, numa pesquisa que pode salvar milhares de vidas. Esses pesquisadores mereciam proteção das forças de segurança e uma salva de aplausos por parte da população. Ao invés disso, as forças de segurança em algumas cidades foram responsáveis por cenas lamentáveis e ações truculentas, algumas delas felizmente registradas. Por mais que a comunicação formal do Ministério da Saúde aos municípios possa ter chegado muito perto do início da coleta de dados, nada justifica o comportamento de “xerifes” assumido por alguns gestores municipais, que impedem ou atrapalham a realização da pesquisa que pode ajudar a salvar milhares de vidas no país.
Em meio a uma pandemia sem precedentes, o Brasil merecia que os gestores municipais das 133 cidades incluídas na pesquisa tivessem o mesmo comportamento da Prefeitura de Manaus, a cidade mais afetada pela pandemia no país, e que, mesmo assim, foi a primeira na qual a coleta de dados foi encerrada, onde nossos pesquisadores receberam todo o apoio e suporte necessário.
Pedimos que essa nota seja amplamente divulgada pela mídia e por toda a população. Apesar de tudo, nossas equipes estarão em campo até terça-feira (19/5) para garantir que o maior estudo populacional sobre coronavírus do país continue, e que, no final, nossos pesquisadores sejam aplaudidos e não agredidos.


LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS