SEGURANÇA 23/03/2021 19h28

Frente Parlamentar quer traçar o perfil do ciclista gaúcho

Iniciativa tem por objetivo trazer melhorias tanto em rotas para o cicloturismo como para quem utiliza a bicicleta a trabalho ou lazer

A Frente Parlamentar em Apoio ao Ciclismo e ao Cicloturismo da Assembleia Legislativa criou uma pesquisa para traçar o perfil do ciclista gaúcho. A iniciativa tem por objetivo trazer melhorias tanto em rotas para o cicloturismo como para quem utiliza a bicicleta a trabalho ou lazer. O questionário está sendo distribuído em grupos de WhatsApp de ciclistas e também pode ser solicitado pelo número (51) 99642 8135.

“A partir destas respostas vamos ter informações importantes sobre o perfil do ciclista no Estado, tendo por objetivo desenvolver políticas públicas voltadas para este setor. O aumento do número de bicicletas nas cidades brasileiras, potencializado com a pandemia, traz, também, a preocupação com a segurança nas estradas, tanto para motoristas como para ciclistas”, justifica o deputado estadual Issur Koch (PP), que preside o grupo de trabalho.

LEIA MAIS: Ciclismo ganha cada vez mais adeptos em Santa Cruz do Sul

Issur Koch: segurança nas estadas

Segundo pesquisa da Associação Brasileira do Setor de Bicicletas (Aliança Bike), as vendas de bicicletas em 2020 aumentaram em média 50% na comparação com 2019. Atualmente, o Brasil é o quarto produtor de bicicleta no mundo, com aproximadamente 4 milhões de unidades ao ano.

CONSCIENTIZAÇÃO

Trabalhar para melhorar as condições de infraestrutura e conscientização no trânsito para uma prática segura do esporte estão entre os objetivos da Frente Parlamentar. Outra proposta é desenvolver campanhas para que haja melhor convívio entre motoristas e usuários da bicicleta, com respeito mútuo no trânsito.

De acordo com a Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet), R$ 15 milhões são gastos pelo SUS, todos os anos, para tratamento de ciclistas traumatizados em colisão com veículos no Brasil. “Isso ocorre porque o aumento do número de ciclistas não acompanhou os investimentos realizados em ciclovias ou ciclofaixas. Diante do crescimento do setor, não há mais como imaginar a construção de rodovias ou de terceiras faixas em estradas que não contemplem ciclovias”, define Issur.

LEIA MAIS: Grupo de Ciclistas do Vale do Taquari percorre 200 quilômetros até Sinimbu